Emirates esclarece que vai manter voos para 13 destinos

  • Lusa
  • 22 Março 2020

A Emirates vai continuar a voar para 13 destinos, depois de receber pedidos de governos e clientes para ajudar no repatriamento de viajantes.

A companhia aérea Emirates esclareceu este domingo que vai continuar a voar para 13 destinos, depois de o presidente e diretor executivo ter dito que a empresa iria suspender todos os voos de passageiros devido à covid-19.

De acordo com a agência noticiosa Associated Press (AP), a Emirates anunciou este domingo que entre os destinos para onde continuará a voar estão os Estados Unidos da América, o Reino Unido, o Japão, a Austrália e o Canadá. A transportadora aérea sediada no Dubai justifica a decisão revelando que recebeu pedidos de governos e clientes para ajudar no repatriamento de viajantes.

Apenas horas mais cedo, o presidente e diretor executivo da Emirates tinha anunciado que a companhia se encontrava numa situação em que não podia operar, “de forma viável, voos com passageiros até que os países voltem a abrir as suas fronteiras e a confiança nas viagens regresse”.

Citado pela Associated Press, o xeque Ahmed bin Saeed Al Maktoum assinalou que “o mundo entrou, literalmente, em quarentena devido à pandemia de covid-19”. “Esta é uma crise sem precedentes em termos de amplitude e escala: geograficamente, bem como dos pontos de vista da saúde, social e económico”, salientou.

A Emirates irá igualmente continuar a transportar bens essenciais, incluindo medicamentos, para todo o mundo, com recurso à frota de aviões Boeing 777 prontos para o efeito. Hoje, foi também anunciado que a companhia aérea irá reduzir salários à vasta maioria dos seus funcionários nos próximos três meses, com cortes entre 25% e 50%, mas não irá proceder a despedimentos.

No sábado, a maior companhia aérea do Médio Oriente, que opera habitualmente em 159 destinos, tinha anunciado a supressão de 111 rotas, no quadro de medidas restritivas para combater a pandemia da covid-19.

Em comunicado, a Emirates dava conta de que o período de suspensão iria variar de um a três meses consoante os destinos, mas que ligações como Paris (França), Frankfurt (Alemanha), ou Islamabad (Paquistão) seriam afetadas “até nova informação”.

De acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo, as companhias no Médio Oriente já perderam mais de sete mil milhões de dólares em receitas. Segundo a mesma fonte, desde o final de janeiro já foram cancelados no Médio Oriente 16.000 voos de passageiros.

A Emirates, que transportou no ano passado cerca de 58 milhões de passageiros, encontrava-se numa situação financeira favorável no início do ano mas, de acordo com xeque Ahmed bin Saeed Al Maktoum, a propagação da covid-19 “levou a uma repentina e penosa estagnação nas últimas seis semanas”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 308 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 13.400 morreram. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a ser o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 4.825 mortos em 53.578 casos. Segundo as autoridades italianas, 6.062 dos infetados já estão curados. A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, onde a epidemia surgiu no final de dezembro, conta com um total de 81.054 casos, tendo sido registados 3.261 mortes.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 1.720 mortos em 28.572 infeções, o Irão, com 1.556 mortes num total de 20.610 casos, a França, com 562 mortes (14.459 casos), e os Estados Unidos, com 340 mortes (26.747 casos). Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, há 14 mortes e 1.600 infeções confirmadas. Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 2 de abril.

(Notícia atualizada às 17h35 com esclarecimento da Emirates)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emirates esclarece que vai manter voos para 13 destinos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião