Economia chinesa recupera do vírus. Já está a operar a 75% da sua capacidade

Apesar de o impacto ter sido expressivo, a China está a recuperar a um ritmo acelerado do vírus. Já está a operar a 75% da sua capacidade, mas falta ainda a retoma da confiança dos consumidores.

Um mês após a implementação das medidas de contenção face à pandemia, a China parece estar a conseguir “matar” o vírus. E a vida começa a voltar ao normal. Prova disso é que a economia chinesa já está a operar a 75% da sua capacidade, deixando antever um retorno gradual aos valores normais de produção até ao final de abril, estima a Euler Hermes, líder mundial em seguros de créditos e acionista da COSEC.

Apesar de a China já estar a operar a mais de metade da sua capacidade, “a performance económica deste país asiático será condicionada por uma demora na recuperação da confiança dos consumidores, uma vez que os volumes de transações imobiliárias permanecem ainda 70% abaixo dos níveis normais”, explica a Euler Hermes, em comunicado.

Segundo esta análise, só no primeiro trimestre do ano, as medidas de contenção tomadas por Pequim tiveram um impacto no PIB de pelo menos três pontos percentuais. Nos dois primeiros meses de 2020, o crescimento do comércio chinês foi o mais baixo desde 2016, com as exportações a caírem 17,2% e as importações a cederem 4,0%.

Todavia, mesmo com o impacto que o Covid-19 está a provocar a nível mundial, a mesma análise destaca que este cenário “fica bastante abaixo do provocado pela crise de 2009, quando, no espaço de apenas um mês, as exportações desaceleraram -26.5% e as importações -43.1%”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia chinesa recupera do vírus. Já está a operar a 75% da sua capacidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião