Fórmula 1 com calendário mais curto. Vai ter 15 a 18 corridas

  • Lusa
  • 24 Março 2020

Temporada de 2020 tinha previstas 22 provas, mas dada a rápida propagação do novo coronavírus, o calendário teve de ser revisto.

O calendário do campeonato do Mundo de Fórmula 1, já com oito grandes prémios cancelados ou adiados, deverá ter de 15 a 18 corridas, devido à pandemia de Covid-19, informou hoje o diretor executivo da empresa promotora.

A temporada de 2020 tinha previstas 22 provas, mas dada a rápida propagação do novo coronavírus, o calendário teve de ser revisto, sendo que não deverá iniciar-se antes de 14 de junho, data prevista para o GP do Canadá, em Montreal.

“Reconhecemos, de facto, que há um potencial risco de atrasos adicionais nos eventos que constam atualmente no programa, mas esperamos, assim como os nossos parceiros, que a temporada comece num momento ou outro neste verão, com o calendário revisto para 15 a 18 corridas”, explicou Chase Carey, em comunicado.

De acordo com o diretor norte-americano, a última corrida da temporada deverá acontecer no final de novembro, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, contudo admite que “a temporada se possa estenda além das datas finais inicialmente previstas para o fim de semana de 27 a 29 novembro”.

Embora o ideal fosse “especificar e prever” com mais certeza o calendário de 2020, Carey afirma que tal “não é possível neste momento”.

“Não é possível prever neste momento um calendário mais específico, devido às circunstâncias [do novo coronavírus], mas esperamos ter uma visão mais clara da situação nos nossos países anfitriões, bem como das possibilidades de deslocação nos próximos meses”, acrescentou.

O Grande Prémio da Austrália, primeira ronda do calendário, foi cancelado no dia em que deveriam desenrolar-se os treinos livres. China, Bahrain, Vietname, Países Baixos e Espanha também adiaram as suas provas para datas posteriores, enquanto o Mónaco cancelou definitivamente a sua histórica prova.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fórmula 1 com calendário mais curto. Vai ter 15 a 18 corridas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião