Von der Leyen deplora egoísmos nacionais na resposta à crise na UE

  • Lusa
  • 26 Março 2020

Para a presidente da Comissão Europeia, “uma crise sem fronteiras não pode ser resolvida colocando barreiras", que foi o que alguns Estados-membros fizeram, apontou.

A presidente da Comissão Europeia foi esta quinta-feira muito crítica do comportamento inicial de muitos Estados-membros na resposta à pandemia de covid-19, lamentando que Bruxelas tenha necessitado de intervir para garantir a solidariedade, face a comportamentos egoístas “sem sentido”.

Numa intervenção no Parlamento Europeu – num hemiciclo praticamente vazio, dado a grande maioria dos eurodeputados seguirem a sessão plenária desta quinta-feira remotamente desde os seus Estados-membros -, Ursula von der Leyen não poupou críticas à reação inicial de muitos países face à chegada da pandemia ao solo europeu e advertiu que os cidadãos e a própria História estão a “observar” o comportamento dos líderes, que a seguir terão de decidir que União querem, no pós-pandemia.

Von der Leyen começou por lembrar a forma súbita “como a vida mudou”, apontando que, “num abrir e fechar de olhos, um vírus que surge no outro lado do mundo torna-se uma pandemia mortífera com consequências trágicas, também na Europa”.

“De um dia para o outro, as nossas formas de vida mudaram. As nossas ruas esvaziaram-se. As nossas portas fecharam-se. E passámos da rotina quotidiana ao combate da nossa vida. Durante este período, assistimos a uma tragédia no coração da Europa de uma amplitude inimaginável há algumas semanas”, apontou.

Insistindo repetidamente que esta é uma crise perante a qual “apenas ajudando-nos uns aos outros podemos ajudar-nos a nós próprios”, a presidente do executivo comunitário notou então que, no entanto, “a história das últimas semanas é parcialmente dolorosa de contar”.

“Quando a Europa realmente precisou que olhássemos uns pelos outros, muitos inicialmente olharam apenas por si próprios. Quando a Europa realmente precisou de um espírito ‘todos por um’, muitos inicialmente deram uma resposta ‘apenas por mim’. E quando a Europa realmente precisou de provar que esta não é uma ‘União para o bom tempo’, muitos inicialmente recusaram-se a partilhar o seu guarda-chuva”, acusou.

A presidente da Comissão realçou que “uma crise sem fronteiras não pode ser resolvida colocando barreiras”, mas, “ainda assim, esse foi precisamente o primeiro reflexo que muitos países europeus tiveram”.

“Isto simplesmente não faz sentido, e contradiz fundamentalmente o espírito europeu. A livre circulação de bens e serviços é o nosso ativo mais forte e, muito francamente, o nosso único ativo para garantir que os fornecimentos podem chegar aonde são mais necessários. Não faz sentido que alguns países tenham decidido unilateralmente travar as exportações para outros no mercado interno”, prosseguiu, acrescentando que “foi por isso que a Comissão interveio quando alguns países bloquearam exportações de equipamento de proteção para Itália”.

Notando que “não foi preciso muito tempo até que alguns sentissem as consequências das suas próprias ações descoordenadas”, Von der Leyen sublinhou que foi por isso que, infelizmente, a Comissão se viu forçada a intervir. “Ao longo das últimas semanas tomámos medidas excecionais e extraordinárias para coordenar e tornar possível a ação que era necessária”, disse.

“Desde então, as coisas têm melhorado e os Estados-membros estão a começar a ajudar-se uns aos outros, e a si próprios”, acrescentou, sem no entanto baixar o tom das suas advertências.

Segundo Von der Leyen, quando “os pais e mães fundadores” do projeto europeu partiram das cinzas da II Guerra Mundial para criar uma união de povos e nações, “o seu objetivo era forjar uma aliança na qual a força mútua nascia da confiança mútua”, e “hoje, face a um inimigo invisível, esses valores fundamentais da União são postos à prova”.

“Neste momento, o nosso primeiro dever e prioridade é salvar vidas e proteger os meios de subsistência dos europeus. Mas chegará o dia – espero que num futuro não muito longínquo -, em que devemos olhar para o futuro e moldar em conjunto a recuperação. Devemos retirar lições e decidir que tipo de União Europeia queremos no futuro. Meus amigos, a História observa-nos. Façamos juntos a boa escolha, com um grande coração, e não com 27 pequenos”, concluiu.

O debate desta quinta-feira no Parlamento Europeu ocorre horas antes de uma nova cimeira de chefes de Estado e de Governo da UE, por videoconferência, na qual os 27 vão prosseguir as discussões sobre as respostas à crise provocada pela pandemia, cujo epicentro atual é a Europa.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 240.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados até hoje, seguida de Espanha, com 3.434 óbitos entre 47.610 casos de infeção.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Von der Leyen deplora egoísmos nacionais na resposta à crise na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião