Supervisor espanhol incentiva cotadas a reverem dividendos perante a pandemia

  • ECO
  • 27 Março 2020

Santander e CaixaBank estão entre as empresas espanholas que já anunciaram mudanças. A CNMV recomenda às cotadas que revejam as propostas para se precaverem contra o impacto do surto de Covid-19.

O supervisor dos mercados financeiros de Espanha, a CNMV, está a incentivar as empresas cotadas a reformularem as contas anuais e reverem a proposta de dividendos, noticia o El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol). O “convite” é feito numa altura em que parte da economia está parada devido ao Covid-19, cujo impacto financeiro ainda não é possível avaliar.

Numa altura em que as empresas costumam estar a realizar assembleias gerais de acionistas para aprovar contas anuais e dividendos, a CNMV alertou que a situação atual de crise sanitária “é uma circunstância absolutamente extraordinária” que deve ser tida em conta. “Se a administração considerar necessário”, as empresas “devem reformular as contas anuais” e alterar a proposta de dividendo.

Para as empresas que já convocaram assembleias gerais de acionistas, a reformulação das contas pode acontecer “por motivos de força maior”. Há ainda a hipótese de as AG se realizarem de forma normal, mas não aprovarem o dividendo, de acordo com as sugestões do supervisor citadas pelo El Economista.

Há empresas em Espanha que já deram esse passo, nomeadamente bancos, que são chamados a financiar a recuperação da economia. É o caso do CaixaBank, cuja administração decidiu desconvocar a assembleia-geral prevista para 3 de abril e anunciou que vai reduzir para metade o dividendo proposto para o exercício de 2019.

Também o Santander vai dar menos dinheiro aos acionistas. O banco espanhol vai cancelar a remuneração intercalar que deveria entregar aos investidores, ao mesmo tempo que os salários da administração vão ser revistos em baixa. Parte da poupança servirá para criar um fundo solidário para ajudar a combater a pandemia.

Em Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) só fez recomendações no sentido de que as cotadas realizassem as assembleias gerais à distância. Mas, mesmo assim, também já há empresas a reverem a remuneração acionista: o BCP anunciou esta quinta-feira que já não vai distribuir dividendos este ano, mas vai pagar 5,3 milhões aos trabalhadores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Supervisor espanhol incentiva cotadas a reverem dividendos perante a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião