Brasil regista 111 mortos por coronavírus e 3.904 infetados

  • Lusa
  • 29 Março 2020

O número de casos de coronavírus no Brasil continua a aumentar, numa altura em que Bolsonaro tem defendido que o país "não pode parar". Rio de Janeiro é o estado mais afetado.

O Brasil tem 111 mortos e 3.904 infetados pelo novo coronavírus, tendo aumentado para dez o número de estados brasileiros a registar óbitos associados ao vírus, anunciou o Ministério da Saúde.

O país sul-americano registou um aumento de 487 infetados nas últimas 24 horas, sendo que a taxa de mortalidade de coronavírus atual no país é de 2,8%. A tutela da Saúde informou ainda que 90% das vítimas mortais tinha acima de 60 anos e 84% apresentava pelo menos um fator de risco.

Segundo os dados divulgados, dez das 27 unidades federativas do país (26 estados mais o Distrito Federal) registaram óbitos devido ao novo coronavírus: Amazonas, Ceará, Pernambuco, Piauí, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Todas as regiões do Brasil — norte, nordeste, sudeste, centro-oeste e sul — têm mortes confirmadas.

Apesar do alcance geográfico do vírus ter aumentado, São Paulo continua a ser o estado brasileiro mais afetado, contabilizando 84 mortos e 1.406 infetados. Segue-se o Rio de Janeiro com 13 óbitos e 558 infetados. Assim, o sudeste brasileiro, que engloba São Paulo e Rio de Janeiro, é a região com o maior número de infetados, totalizando 2.222 casos confirmados do vírus. No lado oposto está a região norte do país, com 184 casos de infeção.

As previsões do Governo para o próximo mês é de que a pandemia cresça no Brasil, com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a frisar a necessidade de isolamento social para evitar o avanço da doença e para evitar a sobrecarga hospitalar com outros tipos de atendimento. Quando nós mandamos parar [a circulação de pessoas] diminuem acidentes, traumas e aumentam” as camas livres das unidades de terapia intensiva, referiu.

Segundo Luiz Henrique Mandetta, “há informações de queda de até 30%, 40%, até 50% do nível de taxa de ocupação” das camas que antes estavam a ser utilizados para pessoas politraumatizadas. “Ou seja, mais um benefício quando mandamos parar, além de diminuir a transmissão”, disse o ministro. Apesar das entidades de Saúde recomendarem o isolamento social, Bolsonaro tem defendido ao longo da semana que o país “não pode parar”.

Na terça-feira, o Presidente do Brasil gerou polémica junto da classe médica e política do Brasil ao pedir às autoridades estaduais e municipais a reabertura de escolas e comércio, e o fim do “confinamento em massa”, de forma a evitar uma eventual “onda de desemprego”. O ministro da Saúde sublinhou que o lockdown (protocolo de emergência que geralmente impede a circulação de pessoas) pode vir a ser necessário em algum momento, em alguma região do país, mas nunca em todo o território brasileiro.

O Governo brasileiro proibiu, desde hoje, e por 30 dias, a entrada no país de todos os cidadãos estrangeiros por via aérea, de forma a travar a expansão do novo coronavírus à escala global. A medida não impõe restrições ao tráfego de carga nos aeroportos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brasil regista 111 mortos por coronavírus e 3.904 infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião