Atividade comercial na Zona Euro colapsa em março devido à pandemia

  • ECO
  • 3 Abril 2020

Índice que mede a atividade comercial na Zona Euro mostra que economia está a afundar a um ritmo anual de 10%. "Pior ainda por vir no futuro próximo", avisa economista da IHS Markit.

A atividade comercial na Zona Euro colapsou em março perante as medidas dos governos de encerramento de grande parte dos negócios, incluindo estabelecimentos comerciais e fábricas, num esforço para travar a propagação do coronavírus na região.

O Índice Gestores de Compras (PMI) Compostas final, elaborado pela IHS Markit, afundou para um mínimo de sempre nos 29,7 no mês passado, face aos 51,6 registados em fevereiro. Ficou abaixo da estimativa rápida anteriormente divulgada, nos 31,4. Foi a maior queda deste índice que mede a atividade económica desde que começou a ser realizado, em julho de 1998. Leituras abaixo dos 50 indicam uma contração da atividade.

“Os dados mostram que a economia da Zona Euro já está a contrair a uma taxa anual de perto de 10%, com o pior ainda por vir no futuro próximo, inevitavelmente”, referiu Chris Williamson, economista da ISH Markit.

O indicador relativo à procura caiu a um ritmo recorde, com o índice de novos negócios a afundar de 51,2 em fevereiro para 27,7 em março, ainda mais baixo do que a estimativa rápida de 29,5.

Economia afunda em março

Por outro lado, a atividade no setor de serviços também quase parou. O índice PMI no setor caiu para um valor mínimo nos 26,4 face ao valor de 52,6 observado em fevereiro.

“O setor dos serviços está a sofrer um impacto especialmente severo do surto do Covid-19, com as viagens, turismo, restaurantes e outras atividades de lazer a serem atingidas fortemente pelas medidas de contenção de resposta ao vírus”, sublinhou Williamson.

Também a confiança dos agentes económicos está a esvair-se, com o índice que mede as expectativas no setor dos serviços a cair para metade em apenas um mês, dos 61,3 para 33,5 em março.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atividade comercial na Zona Euro colapsa em março devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião