“O lay-off era inevitável”. TAP cria “área de emergência RH”

Companhia aérea anunciou lay-off de 90% dos 10 mil trabalhadores da empresa. Em abril, a companhia tem quase a totalidade dos 105 aviões em terra, sem voar.

“O lay-off era inevitável”, explica Pedro Ramos, diretor de recursos humanos da TAP, em conversa com a Pessoas/ECO ao telefone. Enquanto isso, a companhia tem quase a totalidade dos seus 105 aviões no chão, sem voar. Face à redução abrupta e quase total dos aviões da companhia aérea nacional, a TAP anunciou que avança para o lay-off de cerca de 90% dos seus cerca de 10 mil trabalhadores, uma decisão que o responsável de recursos humanos vê como uma medida que, espera, com um fim rápido à vista.

“Temos a operação praticamente parada no mês de abril. O lay-off foi uma medida tomada com o objetivo de preservar os postos de trabalho das nossas pessoas, esperando que rapidamente seja ultrapassado este desafio”, justifica. Por considerar ser ainda cedo para detalhar e tomar novas medidas, a opção do lay-off foi o regime que, “neste momento, possibilita operacionalizar um modelo que permite manter as pessoas da TAP, os nossos colaboradores”.

O lay-off foi uma medida tomada com o objetivo de preservar os postos de trabalho das nossas pessoas.

Pedro Ramos

Diretor de recursos humanos da TAP

“Para já fizemos lay-off durante 30 dias: a lei permite renovar até aos 90, mas esperamos que muito rapidamente seja possível voltar a uma operação”, acrescenta o responsável de pessoas da TAP. Relativamente ao regresso a uma “normalidade”, Pedro Ramos acrescenta ainda que uma possibilidade é ir, gradualmente, fazendo voltar as pessoas, por fases, ao trabalho, “dependendo da operação” que for sendo restabelecida. “É uma possibilidade, porque necessariamente não vai ser toda a recuperação de um dia para o outro”, afirma.

Sobre o processo propriamente dito dentro da empresa detida em 50% pelo Estado português, Pedro Ramos assinala que toda a comunicação com os cerca de dez milhares de trabalhadores foi feita “com muita verdade, muita transparência e em comunicação direta com os colaboradores”, assim como através da realização de reuniões “com todas as organizações representativas — comissões de trabalhadores e sindicados”. “Tem sido sempre transparente e aberta”, sublinha.

Neste sentido, a TAP criou uma “área de emergência RH” e dá também destaque ao “RH Consigo”, um serviço de call center interno disponível em horário alargado para responder a todas as dívidas dos trabalhadores da companhia aérea. Em conjunto com a comunicação interna, tem preparado materiais de perguntas e respostas frequentes, que são distribuídos pelos trabalhadores da companhia.

“Estamos todos muito empenhados em estar muito próximos, em responder com toda a transparência e cordialidade às necessidades das nossas pessoas, já que elas são a nossa principal prioridade”, assinala ainda.

Pedro Ramos, diretor de RH da TAP, em entrevista à Pessoas
Pedro Ramos, diretor de recursos humanos da TAP.Hugo Amaral/ECO

Esta terça-feira, a TAP comunicou aos trabalhadores que avança para o lay-off para 90% das cerca de 10 mil pessoas que trabalham no grupo, mantendo os restantes 10% num regime de carga horária reduzida. Além disso, os gestores da companhia aérea vão ser alvo de um corte de 35% no valor dos respetivos salários. A informação faz parte de uma carta do Conselho de Administração, enviada aos funcionários a 31 de março.

“Tendo em conta as características operacionais da nossa atividade drasticamente reduzida, […] as medidas a adotar são: 1) a suspensão temporária da prestação do trabalho para cerca de 90% dos colaboradores; e 2) uma redução do período normal de trabalho, em 20%, para os restantes 10% dos colaboradores”, lê-se na carta, a que o ECO teve acesso.

Estas medidas extraordinárias da TAP, que visam responder ao severo impacto da pandemia do coronavírus no negócio, “entram em vigor a 2 de abril por um período de 30 dias”. Mas o período poderá “vir a ser estendido”, tal como prevê o próprio decreto-lei do Governo, que estabelece o regime do “lay-off simplificado”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O lay-off era inevitável”. TAP cria “área de emergência RH”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião