EDP paga juro de 1,72% para emitir 750 milhões em dívida verde

O spread inicial da operação apontava para um juro superior, mas a forte procura levou a que o valor fosse revisto em baixa.

A EDP emitiu 750 milhões de euros em dívida verde a sete anos. A elétrica liderada por António Mexia esteve no mercado de obrigações esta terça-feira e o forte apetite dos investidores levou a que o juro fosse sendo revisto em baixa ao longo do dia. A yield final fixou-se em 1,719%, segundo os dados finais que a empresa comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O spread inicial da emissão apontava para uma yield superior a 2%, mas a forte procura levou a que a taxa fosse revista em baixa e que o montante da emissão fosse alargado.

A procura foi quase oito vezes superior à oferta, indicando que os investidores estão dispostos a ficar com cerca de 6 mil milhões de euros, segundo apurou o ECO. Este é o nível de procura mais elevado desde 2012, quando a EDP voltou ao mercado de dívida após o pedido de resgate à troika.

Participaram nesta transação mais de 300 investidores, sendo que sete investidores colocaram ordens superiores a 100 milhões. Os títulos com maturidade em abril de 2027 serão admitidos à negociação na Euronext Dublin.

A colocação “destina-se ao financiamento ou refinanciamento, no todo ou em parte, do portfólio de projetos green elegíveis do grupo EDP, que consiste em projetos renováveis — eólicos e solares”, explica a EDP.

A operação foi coliderada pelo Caixa BI, com ajuda dos bancos Barclays, BBVA, Bank of America, Citi, Commerzbank, HSBC, ICBC, ING, JP Morgan, Société Générale.

Esta emissão acontece depois de, em janeiro, a EDP ter encaixado outros 750 milhões de euros através de uma operação também de obrigações verdes. Estes títulos de dívida, também conhecidos como green bonds, servem especificamente para financiar projetos ambientalmente sustentáveis. Na altura, a elétrica pagou um juro de 1,75% por obrigações com maturidade em 2080 (60,5 anos).

(Notícia atualizada às 19h15)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP paga juro de 1,72% para emitir 750 milhões em dívida verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião