Covid-19: Madeira perspetiva decréscimo do PIB entre 12% e 23%

  • Lusa
  • 23 Abril 2020

Pedro Calado antecipa que "no cenário menos gravoso", o decréscimo do PIB da Madeira em 2020 poderá atingir os 12%, enquanto o cenário mais pessimista aponta para uma queda que poderá ser de 23%.

O vice-presidente do Governo Regional da Madeira disse esta quinta-feira que no cenário menos gravoso o decréscimo do PIB da Madeira em 2020 poderá atingir os 12%, enquanto o cenário mais pessimista aponta para uma queda poderá ser de 23%.

No cenário menos gravoso, e partindo do princípio de que a economia deixe de contrair e se registe a retoma quase integral da atividade na segunda metade do ano, estima-se um decréscimo de 12% no PIB [Produto Interno Bruto] da região para 2020, quando havia sido projetado um crescimento de 1,9% comparativamente ao ano anterior e um acréscimo da taxa de desemprego em seis pontos percentuais, podendo atingir os 13% em 2020 (mais de 17.000 pessoas)”, disse Pedro Calado.

O governante falava na Comissão Permanente da Assembleia Legislativa, que se reuniu esta quinta-feira para analisar as medidas sanitárias de combate à Covid-19 e as medidas para travar as consequências económicas e sociais da pandemia.

No cenário mais gravoso, se a pandemia motivar no segundo semestre a períodos mais longos de contenção, “a queda do PIB pode ser ainda maior e atingir os 23%, e a taxa de desemprego poderá crescer em 11,5 pontos percentuais, podendo atingir os 18,5% em 2020 (mais de 25.000 pessoas)”, referiu Pedro Calado.

Qualquer que seja o cenário, acrescentou, as estimativas relativas à receita fiscal ficarão “muito abaixo dos valores considerados no Orçamento Regional para 2020, devendo cair mais de 150 milhões de euros, isto é, cerca de 16% do total de 943 milhões de euros inicialmente considerados”.

Porém, para o executivo regional, a prioridade continua a ser “a salvaguarda da saúde pública e a garantia do apoio social aos mais atingidos pela pandemia”.

“Na preparação do nosso futuro e da saída progressiva das medidas de contenção, em consonância com as orientações emanadas a nível europeu e nacional, o Governo Regional está já a trabalhar no planeamento da recuperação, preparando o roteiro para o levantamento progressivo das medidas de contenção e estudando as medidas necessárias à revitalização da economia”, declarou.

Neste sentido, o Governo Regional vai aguardar o final do estado de emergência para ter dados mais sólidos sobre a situação económica e financeira e poder começar a construir o programa de recuperação, que “seguramente, vai requerer um orçamento suplementar”.

Dados da Direção Regional de Estatística referem que a Madeira tinha um peso de 2,4% no PIB português em 2018.

“Vamos esperar também por dados mais concretos sobre qual será a ajuda do Governo da República, uma vez que ainda não obtivemos qualquer resposta em relação aos pedidos formalizados”, disse Pedro Calado.

Houve, por exemplo, o pedido para a suspensão parcial da Lei das Finanças Regionais, para que seja possível recorrer a financiamento externo e “conseguir ajudar as empresas na manutenção dos postos de trabalho e na retoma da atividade”.

“A região solicitou também uma moratória ao pagamento do empréstimo contraído pela Madeira junto do Estado, no âmbito do Plano de Ajustamento Económico e Financeiro. Estas medidas excecionais visam acomodar o aumento da despesa originada pelos apoios que têm sido concedidos e ajudar as empresas quando a situação começar a normalizar”, disse, sublinhando que acredita que o Governo da República não deixará de apoiar solidariamente a Madeira.

Pedro Calado realçou, a propósito, que uma moratória relativamente às duas prestações ao Estado devido ao empréstimo de 1.500 milhões de euros permitiria à região dispor de 100 milhões de euros para alavancar a economia,.

Do orçamento regional, indicou, o Governo Regional já apoiou, entretanto, em 218 milhões de euros, vários setores regionais.

Segundo o responsável, várias instituições bancárias já manifestaram vontade em apoiar a Madeira em 600 milhões de euros “se for retirada a limitação do endividamento”.

O secretário regional da Saúde e da Proteção Civil, Pedro Ramos, revelou, por seu lado, em resposta à oposição, que a região está “a rastrear e a testar cada vez mais”, salientando, contudo, que uma pessoa com teste negativo numa determinada altura pode ser positiva uma semana depois.

A Comissão Permanente da Assembleia Legislativa reuniu-se com a presença dos líderes parlamentares do PSD, PS, CDS, JPP e PCP, que utilizaram máscaras de proteção contra a Covid-19.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Madeira perspetiva decréscimo do PIB entre 12% e 23%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião