Uma em cada três empresas da hotelaria e restauração não pagou salários em abril

  • Lusa
  • 6 Maio 2020

Como consequência da ausência de faturação e de recursos, 32% das empresas não conseguiram pagar salário a 30 de abril e 12% apenas conseguiu pagar uma parte.

Uma em cada três empresas da hotelaria e restauração não conseguiram pagar salários em abril, alerta a associação representativa do setor, que sublinha a “situação dramática” que muitas empresas atravessam por causa da pandemia de Covid-19.

Em comunicado, a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) cita o seu mais recente inquérito, realizado entre 30 de abril e o início deste mês e com 1.722 respostas válidas, que indica que como consequência da ausência de faturação e de recursos 32% das empresas não conseguiram pagar salário a 30 de abril e 12% apenas conseguiu pagar uma parte.

“A perspetiva de curto prazo é avassaladora, com 60% das empresas a estimarem zero vendas no mês de maio e 27% a admitirem mesmo avançar para a insolvência”, alerta a AHRESP, lembrando que cerca de 70% das empresas assumem que não vão conseguir pagar salários este mês, caso o apoio do lay-off não chegue a tempo.

O inquérito indica ainda que 18% das empresas admitem que não vão conseguir manter a totalidade dos postos de trabalho até ao final do ano.

Os dados referentes ao mês de abril revelam “um quadro muito preocupante” para estas atividades económicas, pois cerca de 80% estiveram encerradas e não tiveram qualquer faturação.

No caso específico do lay-off, recorda a AHRESP, “apesar de 59% das empresas terem recorrido a este mecanismo, 77% aplicaram o regime à totalidade dos seus trabalhadores”.

“Mais preocupante é o facto de 76% não terem recebido o apoio até à data de 30 de abril”, acrescenta.

Segundo os dados da AHRESP, a importância deste modelo de apoio através da Segurança Social é demonstrada pela intenção de renovação do recurso ao lay-off simplificado por 90% das empresas inquiridas.

Quanto às linhas de financiamento, apenas 39% das empresas recorreram a estes mecanismos de apoios financeiros, sendo o mais referenciado a linha do Turismo de Portugal dirigida a microempresas.

“No entanto, das empresas com processos aprovados, 67% ainda não tinham o dinheiro disponível”, refere a associação.

A AHRESP alerta ainda que, com a provável data de 18 de maio para a reabertura dos estabelecimentos de restauração e bebidas, e com a redução de 50% na lotação, “20% das empresas referem que não vão reabrir os seus estabelecimentos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma em cada três empresas da hotelaria e restauração não pagou salários em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião