Estes são os verdadeiros 9 grupos seguradores pan-europeus

  • ECO Seguros
  • 14 Maio 2020

Numa primeira vaga , o Regulador europeu identificou nove grandes grupos seguradores, candidatos a um novo sistema de supervisão. Têm negócios em muitos países. Cinco já estão em Portugal.

A Eiopa, organismo supervisor dos seguros na União Europeia, liderado pelo português Gabriel Bernardino, identificou os nove grupos seguradores considerados verdadeiramente pan-europeus, isto é são grandes, estão em muitos países e têm sede em um país da UE.

A identificação destes IAIG – Internationally Active Insurance Groups (Grupos seguradores internacionalmente ativos) foi conseguida através da partilha de informação dos supervisores nacionais dos 27 estados membros com a Eiopa, de acordo com alguns critérios definidos. O objetivo é que a supervisão destes grupos possa ser articulada à escala europeia, simplificando o controlo das suas atividades com ganhos de tempo e custos quer para a atividade de supervisão, quer para os próprios grupos empresariais.

O processo tem sido estimulado pela IAIS – International Association of Insurance Supervisors que reúne 190 jurisdições em mais de 140 países, propondo standards para a indústria seguradora a serem seguidos por todos os países e os critérios que, em conjunto, definem um grupo europeu são os seguintes:

  • Tem prémios emitidos em três ou mais jurisdições (países) da UE;
  • Pelo menos 10% dos prémios são emitidos fora do país onde se localiza a sede;
  • Os ativos totais são superiores a 50 mil milhões de dólares ou os prémios emitidos são superiores a 10 mil milhões de dólares.

Embora, numa primeira análise, a IAIS tenha previsto cerca de 50 grupos passíveis de serem considerados IAIG’s, o facto é que a lista agora divulgada, identifica apenas nove grupos considerados verdadeiramente multinacionais, com sede na Europa. São eles:

  • Aegon N.V. (Holanda): Tem operações em 12 países europeus com os seus maiores mercados na Holanda e Reino Unido. Está ainda em quatro países dos mercados CEE (central & eastern europe), em Espanha e em Portugal onde tem um contrato de 25 anos, celebrado em 2014, com o Banco Santander Totta para distribuição dos seus produtos.
  • Ageas SA/NV (Bélgica): Está em 9 países na Ásia e, na Europa, está na Bélgica, Reino Unido, França, Turquia e Portugal onde detém as marcas Ageas Seguros, Ocidental, Média, Seguro Directo e Ageas Pensões.
  • Allianz SE: Empresa com sede na Alemanha, está em 70 países por todo o mundo, mas tem mais de metade do seu negócio na Europa. A Allianz Portugal nasceu em 1999, da fusão da Portugal Previdente e da Sociedade Portuguesa de Seguros, após a tomada de controlo do Grupo AGF.
  • Assicurazioni Generali S.p.A.: Tem presença forte em Itália, onde tem a sede, Alemanha, França, países da Europa oriental e em países emergentes da Ásia e América Latina. Entrou em Portugal em 1942, mas estabeleceu-se com uma companhia portuguesa em 2015. Em 2019 adquiriu a Seguradoras Unidas (Tranquilidade, Açoreana, Logo) e a Advance Care.
  • Grupo Mapfre: O grupo espanhol está em 100 países, nos cinco continentes dos quais 8 são países da EU. Em Portugal estabeleceu-se em 1990.
  • HDI Haftpflichtverband der Deutschen Industrie V.a.G.: Com sede na Alemanha é mais conhecido pelo seu grupo Talanx, está em 150 países mas não em Portugal.
  • Münchener Rückversicherungs-Gesellschaft Aktiengesellschaft in München: A Munich Re está presente em 6 países da Europa, mas não em Portugal onde, contudo, tem muitos clientes de resseguro.
  • NNGroupN.V. (Holanda): A Nationale Nederlander está ativa em 18 países, na Europa, Estados Unidos e Ásia, sendo a Holanda o seu principal mercado. Não está em Portugal.
  • Vienna Insurance Group AG (Áustria): a VIG tem 50 empresas em 30 países, sendo líder na Áustria e em alguns países CEE. Em Portugal está ausente.

A listagem agora divulgada é dinâmica, diz a Eiopa, sendo atualizada à medida que são identificados grupos que cumpram os critérios que permitem o estatuto de IAIG.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estes são os verdadeiros 9 grupos seguradores pan-europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião