Revendedores de gás contra fixação de preços, querem IVA a 6%

  • Lusa
  • 14 Maio 2020

Para os revendedores, esta medida não reflete os custos de distribuição, rede de revenda e entregas ao domicílio, a que se junta os da compra de equipamentos de proteção individual.

Os revendedores de combustíveis voltaram a pedir ao Governo a aplicação de uma taxa IVA de 6% às botijas de gás, uma medida que demonstraria preocupação com a situação económica das famílias, considerou a Anarec.

“Transmitimos uma mensagem muito clara ao Governo de que, estando tão preocupado com a situação económica das famílias, tal como todos nós, especialmente neste período excecional em que o consumo doméstico tende a aumentar, a medida que deveria ser implementada seria a aplicação de uma taxa de 6% no IVA do GPL engarrafado”, indicou, em comunicado, a Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis (Anarec).

No documento, a associação disse ainda estar contra a possibilidade de renovação da fixação de preços máximos para o gás engarrafado, que foi aplicada durante o estado de emergência.

Para os revendedores, esta medida não reflete os custos de distribuição, rede de revenda e entregas ao domicílio, a que se junta os da compra de equipamentos de proteção individual.

A Anarec vincou também que a função social desempenhada pelos distribuidores de gás “não deve ser minorada”, acrescentando que as medidas “adotadas contra o GPL engarrafado” geram “prejuízos enormes” às empresas do setor, colocando em causa a sua visibilidade e, consequentemente, dos postos de trabalho nas mesmas.

Em 30 de abril, os revendedores de combustíveis repudiaram o alerta do regulador para que os consumidores comprem as botijas de gás nas lojas e reclamem em caso de especulação na entrega ao domicílio, notando que vários setores cobram por serviços semelhantes.

Na mesma altura, a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE) anunciou a instauração de quatro processos crime por especulação de preços de venda de botijas de gás acima dos valores definidos pelo Governo durante a vigência do estado de emergência.

No dia 16 de abril, o Governo fixou preços máximos para o gás engarrafado, a vigorar durante o estado de emergência, devido à pandemia de covid-19, entre os 22 e os 81,05 euros, de acordo com a tipologia.

Segundo despacho conjunto do ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, é definido que, durante o mês de abril, a garrafa de 13 quilogramas (kg) de GPL (Gás de Petróleo Liquefeito) butano, de tipologia T3 custará, no máximo, 22 euros, ou seja, 1,692 euros/kg.

Para a garrafa de 11 kg de GPL propano, também T3, o valor máximo é de 22,24 euros, um preço de 2,022 euros por kg.

Já no caso da garrafa de 45 kg de GPL propano, tipologia T5, o teto máximo é de 81,05 euros (1,801 euros por kg).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revendedores de gás contra fixação de preços, querem IVA a 6%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião