Este ano há 360 praias com Bandeira Azul. Mais oito do que no ano passado

Este ano, há 360 praias que vão poder hastear a Bandeira Azul, 322 das quais são praias costeiras e 38 fluviais. O Algarve continua a ser a região com maior número de bandeiras azuis.

Face à pandemia do novo coronavírus, este ano a época balnear, que começa a 6 de junho, vai ser um pouco diferente e com algumas restrições. Este ano, há 360 praias que vão poder hastear a Bandeira Azul, 322 das quais são praias costeiras e 38 fluviais.

Para a época balear de 2020, o programa Bandeira Azul — que pretende distinguir as praias que cumprem os requisitos distinguir as praias que cumprem os requisitos de qualidade ambiental, segurança e bem-estar –, elegeu 360 praias, mais oito do que as galardoadas no ano anterior. Deste conjunto incluem-se 322 praias costeiras (mais seis do que em 2019) e 28 praias fluviais (mais três), foi esta quarta-feira anunciado em conferência de imprensa Associação Bandeira Azul (ABAE).

Em termos gerais, entre as principais novidades para este ano está, por exemplo, as entrada das praias de Paço de Arcos e de Caxias (no concelho de Oeiras), a Foz do Sizandro, em Torres Vedras, e a de Castelo do Queijo, no Porto. No que toca ao interior, as praias de Mâmoa, em Santa Maria da Feira, e da Amieira, em Portel, foram também galardoadas. Registam-se ainda três reentradas e uma saída de seis praias anteriormente categorizadas.

O Algarve continua a ser a região do país com o maior número de bandeiras azuis, com 87 praias, seguida de perto pela região Norte (76 praias, ou seja, mais uma do que em 2019). Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo com 57 praias (mais três praias). Destaque ainda para a região Centro que regista “um crescimento de forma sustentada”, com 46 praias (mais duas).

Desde que o projeto foi criado, há cerca de 30 anos, já 6.300 praias foram galardoadas com Bandeira Azul. Certo é que, face à pandemia esta época balnear vai ser diferente das anteriores. Face à situação excecional, o Governo definiu, em conjunto com várias entidades, um manual com regras para as praias. O lema é: ter “cuidado consigo próprio, respeitar os outros”, e claro, respeitar as normas definidas.

Entre as várias medidas definidas pelo Executivo está o reforço da sinalização nos locais onde é proibido o estacionamento, a distância mínima de três metros dos chapéus-de-sol de outros utentes ou a proibição de usar equipamentos de uso coletivo nomeadamente gaivotas, escorregas, chuveiros interiores de corpo ou de pés.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este ano há 360 praias com Bandeira Azul. Mais oito do que no ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião