Associados do Montepio preocupados com futuro. Pressionam administração a revelar contas

Um grupo de associados da mutualista Montepio Geral escreveu uma carta aberta à administração da instituição. Dizem-se preocupados com "gestão desastrosa" e exigem ver as contas do ano passado.

Um grupo de associados da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) publicou uma carta aberta dirigida aos órgãos sociais, incluindo a administração liderada por Virgílio Lima, dizendo-se preocupado com a “gestão desastrosa” da instituição e exigindo a publicação das contas de 2019, que estão por apresentar.

“Nunca na história da AMMG algum conselho de administração deixou os seus associados em total desconhecimento relativo a toda a informação necessária à apresentação e prestação de contas, em total desrespeito pelo dever de informação de quem está incumbido de gerir um património de outrem, assim, incumprindo a vários níveis”, referem os associados que, no passado, integraram listas opositoras à atual gestão, a qual se manteve no poder após a saída de Tomás Correia no final do ano passado.

Entre os associados estão Fernando Ribeiro Mendes, os membros do conselho geral Carlos Areal e Viriato Silva, Pedro Corte Real e ainda o economista Eugénio Rosa. Acusam a atual administração de ser “absolutamente inoperante para resolver as questões mais prementes” da mutualista e de manter “práticas de opacidade numa gestão associativa que deveria ser transparente e participada”.

Como o ECO tem vindo a revelar, as contas do ano passado da mutualista ainda estão por apresentar. Não só a pandemia de Covid-19 permitiu adiar a apresentação dos resultados, como também têm existido divergências de fundo entre a administração e o auditor PwC, o que tem atrasado a publicação do relatório.

Uma das questões em cima da mesa teve justamente a ver com a avaliação que a AMMG atribuía ao Banco Montepio e que, segundo a PwC, era demasiado alta. Dos 1.870 milhões de euros, a avaliação do banco prepara-se para sofrer uma revisão em baixa na ordem dos 400 milhões de euros, para fazer equivaler aos capitais próprios do banco.

Junho será decisivo para a apresentação das contas, que deverão ser levadas a aprovação na assembleia geral de associados até do mês. Antes disso, a administração convocará o conselho geral (um órgão consultivo) para os seus membros analisarem o desempenho e a situação financeira daquela que é a maior mutualista do país, com mais de 600 mil associados.

Conforme avançou o ECO na passada sexta-feira, a supervisão financeira da mutualista vai continuar nas mãos do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), segundo uma norma regulamentar da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Associados do Montepio preocupados com futuro. Pressionam administração a revelar contas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião