Mais “Autoeuropas”, facilitar fusões e maiores benefícios fiscais. Veja as propostas do PSD para a retoma

O PSD revelou esta quarta-feira o seu programa de recuperação económica com quatro prioridades: o capital humano, o investimento, a tecnologia e a sustentabilidade.

O presidente do PSD, Rui Rio, e o presidente do Conselho Estratégico Nacional (CEN), Joaquim Miranda Sarmento, apresentaram esta quarta-feira o programa de recuperação económica dos social-democratas. São várias dezenas de propostas que têm como finalidade abordar quatro prioridades: o capital humano, o investimento, a tecnologia e a sustentabilidade.

Na conferência de imprensa, Rio explicou a lógica das propostas apontando para a página 4 do documento: “O que apresentamos é um programa ambicioso, mas realista. E na linha da nossa matriz Social-Democrata: uma economia de mercado, assente na liberdade individual, na primazia da iniciativa privada, mas sem descurar as preocupações sociais e o combate às desigualdades. Isto mostra que em Portugal existe uma alternativa estruturada, sólida e credível ao governo socialista”, lê-se.

O objetivo final é “recuperar a economia e tornar Portugal um país muito mais competitivo e no médio/longo prazo um dos países mais competitivos no quadro da zona Euro“.

Eis algumas das medidas:

  1. Prioridade à capitalização das empresas através de vários mecanismos de financiamento e capital, que permitem diferentes opções às empresas;
  2. Criação de linhas de crédito de longo prazo com taxas de juro bonificadas;
  3. Criação de um fundo específico para apoio ao Comércio e Pequenos Negócios. Este fundo poderá ir até 200 mil euros para criação de posto de trabalho;
  4. Criação de linhas de apoio no âmbito do Portugal2020 para comércio e retalho;
  5. Criar um regime específico de fusões e aquisições entre as empresas de menor dimensão (PME’S) – promover um regime que facilite o crescimento das empresas nacionais por aquisição de concorrentes ou processos de fusão;
  6. Alargamento da aplicação da taxa reduzida de 17% de IRC entre 2020 e 2023;
  7. Redução das rendas dos espaços comerciais (compensação dos senhorios por via fiscal);
  8. Apoio às rendas comerciais, permitindo o seu diferimento durante o 2º semestre;
  9. Proposta de renovação por mais de 1 ano dos contratos de arrendamento (habitações e comerciais) que terminam durante ao no de 2020;
  10. Programa de incentivo à Criação Líquida de Emprego (Majorar os gastos em sede de IRC);
  11. Programa de captação de grandes investimentos estrangeiros;
  12. Majoração, durante os próximos 3 anos, dos regimes fiscais de apoio ao investimento;
  13. Mecanismos de capitalização do setor empresarial – Fundo de fundos para situações especiais (inspirado em mecanismo proposto pela Alemanha);
  14. Implementar, durante o 2º semestre de 2020, na Administração Pública a obrigatoriedade de pagamento a fornecedores até 30 dias;
  15. Reforço do SNS para mitigar potenciais efeitos de uma 2ª vaga e recuperar a capacidade perdida nestes meses nas outras áreas de saúde;
  16. Fomentar a produção de ventiladores e outros equipamentos médicos apoiado numa criação de uma reserva estratégica de EPI de produção nacional;
  17. Medidas de apoio ao turismo, nomeadamente ações de promoção do turismo interno, majorando a dedução do IVA dos hotéis e similares em sede de IRS.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais “Autoeuropas”, facilitar fusões e maiores benefícios fiscais. Veja as propostas do PSD para a retoma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião