Charles Michel alerta para “divergências enormes” nas negociações do fundo de recuperação da UE

O presidente do Conselho Europeu considerou que ainda existem "divergências enormes" em torno da proposta de Bruxelas para um fundo de recuperação da UE no valor de 750 mil milhões.

A proposta de Bruxelas para um fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros continua a gerar fortes divisões entre os líderes europeus. O alerta foi feito pelo presidente do Conselho Europeu numa reunião com responsáveis do Parlamento Europeu, na qual Charles Michel avisou que ainda existem “divergências enormes” nas negociações.

De acordo com o Politico Europe, que cita altos responsáveis do Conselho, Charles Michel terá dito aos eurodeputados que “as negociações vão ser muito difíceis e muito complexas”. “Pressinto uma dificuldade política enorme. Não há uma aproximação real neste momento. Sou muito realista e ainda existem divergências enormes”, indicou, citado pelo mesmo jornal.

O principal motivo das divisões estará na forma de financiamento dos 750 mil milhões de euros para a recuperação da União Europeia (UE) nos próximos anos. A proposta da Comissão Europeia prevê 500 mil milhões de euros em subsídios a fundo perdido e 250 mil milhões de euros em empréstimos, mas os chamados países “frugais” — Áustria, Dinamarca, Holanda e Suécia — são fortemente contra a subsidiação.

Os líderes europeus voltarão a reunir por videoconferência na próxima sexta-feira, mas sem esperança de que um acordo seja alcançado nesse “encontro”. Isto depois de a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, ter sinalizado que qualquer atraso na aprovação do pacote de apoios à UE poderá agravar as “necessidades financeiras” e “criar repercussões negativas”.

O fundo de recuperação da UE, apresentado no final de maio pela presidente da Comissão Europeia, prevê apoios de 750 mil milhões de euros para ajudar os países europeus a ultrapassarem a crise gerada pelo novo coronavírus. O objetivo passa por lançar as bases para uma UE mais competitiva no futuro e com uma economia mais digital. Portugal deverá receber 15,5 mil milhões em subvenções deste fundo, nos termos em que foi proposto por Ursula von der Leyen.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Charles Michel alerta para “divergências enormes” nas negociações do fundo de recuperação da UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião