Saúde acomoda 1.500 milhões somando OE e OE Suplementar

  • Lusa
  • 12 Junho 2020

Será também reforçada a capacidade laboratorial com equipamento e recursos humanos de forma a preparar Portugal para reagir a eventos como a pandemia.

A secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, disse esta sexta-feira que somando o Orçamento do Estado para 2020 e o Orçamento Suplementar agora apresentado, a área da saúde terá injetados 1.500 milhões de euros.

“[O ano de] 2020 foi um ano de exceção para a saúde fora a pandemia da Covid-19 porque houve o maior reforço inicial para o orçamento da saúde de sempre, 941 milhões de euros, e depois foi reforçado com 256 milhões de euros (…) Com este orçamento suplementar, desenhamos uma solução que impacta em cerca de 504,4 milhões de euros que visa várias vertentes, disse a governante, vincando: “Se somarmos o esforço do orçamento 2020 com o esforço do orçamento suplementar estamos a falar de 1.500 milhões injetados na saúde”.

Jamila Madeira, que falava aos jornalistas na conferência de imprensa diária de ponto de situação sobre a pandemia em Portugal, destacou que o orçamento suplementar recentemente apresentado tem como objetivos o reforço dos recursos humanos, bem como a sua valorização, integração.

Soma-se, acrescentou a secretária de Estado, o reforço de capacidade laboratorial com equipamento e recursos humanos de forma a preparar Portugal para “reagir a eventos deste género”, referindo-se à pandemia do novo coronavírus. “E reforçar a capacidade de resposta das Unidades de Cuidados Continuados e acomodar uma despesa que não existia nestas escalas”, apontou, referindo-se ao volume de consumos de equipamentos de proteção individual e testes.

O bastonário da Ordem dos Médicos considerou quinta-feira “insuficiente” o reforço de 504,4 milhões de euros para a saúde no orçamento suplementar, defendendo que a recuperação da atividade devido à Covid-19 exige pelo menos 1.250 milhões de euros.

“Esperava mais de um orçamento suplementar para a saúde”, disse Miguel Guimarães à agência Lusa, recordando que as fragilidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) foram atenuadas nos últimos meses, porque toda a atividade foi concentrada no combate à Covid-19.

Nas contas do bastonário, mais de 50% da atividade – consultas, cirurgias, exames – foi adiada e terá de ser recuperada, assim como realizadas as marcações já efetuadas. “Em termos de orçamento, estamos a falar de três meses – 25% de um ano. Se eu aplicar este quarto de ano ao orçamento, significa que, para recuperar metade do que era a atividade desses três meses, são necessários 1.250 milhões de euros”, considerou.

Questionada sobre estas declarações, Jamila Madeira não as comentou diretamente, tendo apresentado números sobre as verbas destinadas a este setor, bem como as prioridades, aproveitando para apelar e agradecer o “esforço de todos os profissionais de saúde”.

“Com esforço de todos os profissionais de saúde e esforço de todas as vertentes, com a responsabilidade que as Ordens também têm ao conseguirem transformar este esforço gigante que o país coloca ao serviço da saúde, em resultados para o Serviço Nacional de Saúde e em mais acesso para os portugueses, tenho a certeza que conseguiremos atingir os objetivos a que nos propomos”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saúde acomoda 1.500 milhões somando OE e OE Suplementar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião