Empresário perde fábrica mas mantém 180 empregos e lança projetos

  • Lusa
  • 24 Junho 2020

Um empresário de Santo Tirso perdeu a fábrica num incêndio esta semana. Mas decidiu manter os 180 empregos e já anunciou novos projetos.

O produtor de gazes hidrófilas hospitalares de Santo Tirso, cuja fábrica foi destruída por um incêndio, vai garantir os 180 empregos da unidade e já está a ultimar um novo projeto na área dos tecidos não tecidos.

A informação foi dada à Lusa pela ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, após se deslocar a Santo Tirso, distrito do Porto, onde se inteirou da situação em que ficou a ADA Fios após o incêndio ocorrido nas instalações da empresa, durante a noite de segunda-feira e madrugada de terça.

A ministra adiantou que o responsável por este grupo empresarial, Luís Andrade, está já a agilizar a compra do equipamento necessário para reativar a empresa de gazes hidrófilas hospitalares, provavelmente noutro local, a encontrar em colaboração com a autarquia local.

Ana Abrunhosa sublinhou que se trata de uma empresa “de alta tecnologia”, produtora de tecido gaze com a finalidade de utilização em dispositivos médicos. “Estamos a falar, portanto, a falar de uma empresa altamente certificada e inovadora”, destacou.

As dificuldades por que passa a ADA Fios na sequência do sinistro, adiantou a governante, vão ser atenuadas com a agilização da entrega de verbas referentes a três projetos aprovados no âmbito do programa Portugal 2020, nos valores de 170 mil, 140 mil e 450 mil euros. “Esta tesouraria será absolutamente fundamental para o empresário ir já finalizando a compra do equipamento que já está a negociar”, sublinhou a ministra.

Nas suas declarações à Lusa, a titular da pasta da Coesão Territorial adiantou que o agente económico tem já um projeto para lançar uma empresa de tecidos não tecidos. “Este tecido não tecido não é produzido na Península Ibérica, sendo em geral importado da Turquia e da China”, disse a ministra, sublinhando que o empresário também candidatou o investimento ao Portugal 2020. “Vamos tentar perceber a importância deste projeto e, havendo possibilidade de o apoiar, tomar a decisão o mais rapidamente possível”, frisou.

Em declarações prestadas à agência Lusa na terça-feira, o presidente da Câmara de Santo Tirso, Alberto Costa, disse que, na sequência do incêndio industrial, a autarquia iria apurar em que medida poderia ajudar ou apoiar este grupo empresarial e particularmente a ADA Fios, que em 2016 recebeu o carimbo de projeto de Interesse Municipal.

A classificação, frisou o autarca, “implicou isenção de taxas e previa a ampliação das instalações, aumento de postos de trabalho e transferência da sede para o concelho. Portanto, é de todo o interesse da Câmara continuar a apoiar a empresa”. A intenção de Alberto Costa é, por isso, “criar caminhos para o futuro”, estando já “em contactos com o Governo”. “Espero ter algumas respostas para criar algum apoio a esta empresa”, afirmou.

Na terça-feira, peritos estavam ainda a avaliar “a dimensão dos estragos”, segundo o autarca. E ainda esta quarta-feira, de acordo com a ministra Ana Abrunhosa, o balanço dos prejuízos está por fechar. O incêndio chegou a estar ativo em mais de 50% das instalações da ADA Fios, que emprega cerca de 180 pessoas. Os funcionários que estavam a trabalhar quando o incêndio deflagrou saíram em segurança.

A combater o incêndio estiveram as corporações dos bombeiros voluntários de Santo Tirso, Tirsenses, Vila das Aves, Póvoa de Varzim, Paços de Ferreira, Valongo e Ermesinde. No local chegaram a estar 115 operacionais, entre bombeiros de várias corporações, PSP, INEM, Polícia Judiciária, Polícia Municipal e o Serviço Municipal da Proteção Civil da Câmara Municipal de Santo Tirso, apoiados por 35 veículos. Dois bombeiros foram transportados devido “a exaustão” para a Unidade Hospitalar de Santo Tirso, pertencente ao Centro Hospitalar do Médio Ave, segundo fontes da Proteção Civil.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresário perde fábrica mas mantém 180 empregos e lança projetos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião