Google vai pagar por conteúdos de alguns jornais

  • Lusa
  • 25 Junho 2020

A Google passará a pagar a alguns meios de comunicação social para partilhar os seus conteúdos nos serviços "News" e "Discover".

A Google anunciou esta quinta-feira um programa através do qual passará a pagar a alguns meios de comunicação social para partilhar os seus conteúdos nos serviços “News” e “Discover”, uma medida que os media exigiam há anos.

Numa publicação no blogue oficial da empresa, o vice-presidente para a gestão de produtos da “News”, Brad Bender, explicou que o programa será lançado “ainda este ano” e envolverá inicialmente os Diários Associados do Brasil, o grupo alemão Der Spiegel e o Solstice Media da Austrália, seguindo-se posteriormente publicações em outras partes do mundo.

De acordo com Bender, a ideia é ajudar os media a “rentabilizar os seus conteúdos através de uma experiência enriquecida de contar notícias que permita às pessoas mergulharem em histórias complexas, serem informadas e expostas a um mundo de diferentes questões e interesses”.

A empresa disse que, “sempre que possível”, se oferecerá para pagar aos meios de comunicação por conteúdos que normalmente só estão acessíveis por assinatura, para que as pessoas os possam visitar gratuitamente através dos portais Google. “Isto permitirá às empresas editoriais aumentar o seu público leitor e criar uma oportunidade para as pessoas lerem conteúdos que normalmente não veriam”, adianta a empresa.

Durante anos, os meios de comunicação social de todo o mundo têm exigido que os governos e o poder judicial nos respetivos países forcem a empresa de motores de busca a compensá-los financeiramente pela partilha do seu conteúdo, algo a que até agora a Google sempre resistiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google vai pagar por conteúdos de alguns jornais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião