Facebook proíbe anúncios com mensagens de ódio

  • Lusa
  • 26 Junho 2020

O Facebook vai deixar de aceitar campanhas que tenham mensagens de ódio ou afirmem a superioridade de um grupo de pessoas em relação a outro com base em origens ou outras características.

O Facebook anunciou que vai proibir as mensagens de ódio nos anúncios e sinalizar as publicações de políticos que violem as regras da rede social, numa mudança de posição relativamente à moderação de conteúdos online.

A plataforma irá agora remover anúncios que afirmem que pessoas de certas origens, etnias, nacionalidades, sexo ou orientação sexual representam uma ameaça à segurança ou saúde de outros, anunciou o diretor da empresa, Mark Zuckerberg, num discurso divulgado através do seu perfil do Facebook.

Há várias semanas que o Facebook enfrenta uma pressão crescente da sociedade civil, bem como de alguns dos seus empregados, utilizadores e clientes, para melhor regular os conteúdos que incitam ao ódio. Mark Zuckerberg adiantou que serão assinaladas todas as mensagens de políticos que quebrem as regras da rede social, incluindo as do Presidente norte-americano, Donald Trump.

O diretor da empresa tinha-se recusado anteriormente a tomar medidas relativamente a mensagens de Trump que sugeriam falsamente que os votos por correspondência levariam à fraude eleitoral nos Estados Unidos. O Twitter, pelo contrário, colocou, nas mesmas mensagens, o rótulo “verifique os factos”.

Banidas serão também as falsas alegações destinadas a desencorajar o voto, tais como histórias sobre agentes federais que verificam o estatuto legal dos cidadãos em locais de votação. A empresa assegurou, por outro lado, estar a aumentar a sua capacidade de aplicação da lei para remover falsas informações sobre as condições dos locais de votação nas 72 horas anteriores às eleições presidenciais de novembro nos EUA.

As ações do Facebook e do Twitter caíram esta sexta-feira drasticamente depois de a Unilever, empresa de marcas como Ben & Jerry’s Ice Cream e Dove, ter dito que irá suspender a publicidade no Facebook, Twitter e Instagram pelo menos até ao final do ano. O fabricante europeu de produtos de consumo disse que a decisão visa protestar contra a quantidade de discurso de ódio online.

A Unilever defende que a atmosfera polarizada que se vive nos Estados Unidos, antes das eleições presidenciais de novembro, colocou a responsabilidade de agir sobre as marcas. “Decidimos que a partir de agora, pelo menos até ao final do ano, não iremos gerir publicidade das nossas marcas em plataformas de notícias das redes sociais Facebook, Instagram e Twitter nos EUA”, disse a Unilever.

“Continuar a anunciar nestas plataformas nesta altura não acrescentaria valor às pessoas e à sociedade’, acrescentou a empresa. As ações tanto do Facebook como do Twitter caíram cerca de 7% na sequência do anúncio da Unilever. A empresa, que tem sede nos Países Baixos e Reino Unido, junta-se a um conjunto de outros anunciantes que se retiram das plataformas online.

O Facebook, em particular, tem sido alvo de um movimento crescente de suspensão de publicidade para pressionar a empresa a fazer mais para evitar que conteúdos racistas e violentos sejam partilhados na sua plataforma. Em reação à decisão da Unilever, Sarah Personette, vice-presidente de soluções globais para clientes no Twitter, disse que a “missão da empresa é garantir o debate público e assegurar que o Twitter é um lugar onde as pessoas podem fazer ligações humanas, procurar e receber informação autêntica e credível, e expressar-se livremente e em segurança”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook proíbe anúncios com mensagens de ódio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião