BBVA lança fundo de pensões gerido com critérios de investimento socialmente responsável

O investimento socialmente responsável completa os critérios financeiros mais tradicionais ao introduzir critérios ambientais, sociais e de governação.

A BBVA Fundos – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, empresa do Grupo BBVA Portugal especializada na gestão de Fundos de Pensões, anunciou em comunicado que alterou a política de investimento de um dos seus fundos de pensões abertos, tornando-o assim na primeira solução com critérios de investimento socialmente responsável (ISR) do seu portfólio.

Diz a gestora que o BBVA Sustentável Moderado ISR é uma “alternativa para direcionar a poupança para a reforma, a qual está intrinsecamente associada ao longo prazo, um horizonte onde os benefícios do investimento sustentável são maximizados”. Na prática, o investimento socialmente responsável completa os critérios financeiros mais tradicionais ao introduzir critérios ambientais, sociais e de governação. Além disso, os critérios ISR ajudam a “mitigar os riscos e aproveitar oportunidades de investimento”.

“As empresas que adotam práticas sustentáveis hoje têm maior probabilidade de serem as vencedoras do futuro”, diz a BBVA Fundos no mesmo comunicado.

O alvo do BBVA Sustentável Moderado ISR são aforradores com um horizonte temporal de médio/longo prazo. O fundo tem um perfil de risco moderado com um intervalo de investimento no mercado acionista entre 30% e 50%. “A carteira beneficia do processo de alocação de ativos da BBVA Asset Management, com diversificação, foco no controlo do risco e preservação de capital”, refere a empresa. A BBVA Asset Management é a unidade de negócio que engloba as gestoras de fundos de investimento e de pensões a nível global.

Através do MSCI ESG Research, a seleção de ativos é feita através de critérios de investimento socialmente responsável, apostando em empresas com boas perspetivas ISR e em governos com qualidade creditícia e práticas sustentáveis.

“O investimento sustentável tem sido muito importante nos últimos cinco anos e será ainda mais nos próximos anos, pela procura futura e pelo crescimento da aceitação pela comunidade de investimento, pela regulamentação e pelas necessidades dos clientes, os quais cada vez mais estão focados na sustentabilidade. O investimento sustentável não é uma moda, mas uma forma sensata e racional de investir, na medida em que é rentável e gera benefícios a longo prazo com um nível de risco mais controlado”, defende a BBVA Fundos, apontando como pilares do investimento socialmente responsável: integração de critérios ISR em todas as classes de ativos com investimento nas melhores companhias e governos em termos de critérios ambientais, sociais e de governação; menor pegada de carbono do que o índice de referência; investimento de impacto baseado nos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas (ODS); exclusão de companhias que não cumpram com o Pacto Mundial das Nações Unidas, sectores controversos e piores companhias e governos que não cumpram com os nossos critérios de mínimos exigíveis em governação, ambiente e social.

Em linha com o plano de ação da Comissão Europeia sobre finanças sustentáveis, o BBVA assumiu o “Compromisso 2025”, a estratégia de alteração climática e desenvolvimento sustentável do banco para avançar na consecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações
Unidas e do Acordo de Paris sobre Alterações Climáticas.

De acordo com o banco, trata-se de um compromisso a oito anos (2018-2025) baseado em tês pilares; financiar, gerir e incluir. “O BBVA comprometeu-se a mobilizar 100.000 milhões de euros em financiamento verde e social, infraestruturas sustentáveis e “agribusiness”, empreendimentos sociais e inclusão financeira. No seu compromisso com a gestão dos recursos ambientais e sociais e com a minimização dos potenciais impactos negativos diretos ou indiretos, o BBVA fixou o objetivo de usar em 2025, 70% de energias renováveis e reduzir em 68% as suas emissões diretas de CO2, em relação a 2015″, refere o mesmo comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BBVA lança fundo de pensões gerido com critérios de investimento socialmente responsável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião