Portugal é dos países da OCDE com legislação mais rígida para despedimentos

Portugal é dos países da OCDE com legislação mais rígida para despedimentos. Já no que toca a assegurar o cumprimento da lei, Portugal não se encontra tão alto na tabela.

Portugal é dos países com regulamentação mais rígida para os despedimentos, tanto individuais como coletivos, conclui a Organização para Cooperação e de Desenvolvimento Económicos (OCDE). Esta legislação ganha importância numa altura em que a crise decorrente da pandemia ameaça muitos empregos.

Quatro dos cinco países com mais regulamentação no que diz respeito ao despedimento de trabalhadores efetivos são Estados-membros da União Europeia: República Checa, Holanda, Portugal e Itália, aponta o relatório sobre as perspetivas do emprego (Employment Outlook) da OCDE, divulgado nesta terça-feira em Paris.

Enquanto os países de língua inglesa combinam baixos custos para as empresas com relativamente poucas medidas de proteção dos trabalhadores, os “custos para os despedimentos e a segurança no emprego para trabalhadores regulares são comparativamente altos em muitos países da UE”, nota a OCDE.

No entanto, no que toca a assegurar o cumprimento da lei, Portugal já passa para o meio da tabela. Esta parece ser uma tendência, sendo que a OCDE sublinha que há pouca correlação entre a rigidez das regras e a aplicação das mesmas. Aponta até que alguns países com baixa proteção regulatória no geral têm uma pontuação alta na aplicação da lei, no que diz respeito a despedimentos injustos, nomeadamente o Canadá e os Estados Unidos.

O relatório contém também previsões para o mercado laboral, e as estimativas apontam para que a taxa de desemprego em toda a OCDE seja de 9,4% no final de 2020, acima de qualquer pico histórico anteriormente registado. Já para o próximo ano, as previsões da organização indicam uma taxa de 7,7%.

A OCDE destaca ainda que, apesar de atingir globalmente os países, o impacto da pandemia no trabalho é diferente em certos setores e regiões. Pela Europa, vários grandes destinos turísticos, como a região do Algarve em Portugal, podem perder 40% ou mais postos de emprego, devido às restrições que a pandemia veio impor às viagens e ao turismo, projeta. De facto, em maio, o desemprego no Algarve aumentou mais de 200%, face ao mesmo mês do ano passado, segundo dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é dos países da OCDE com legislação mais rígida para despedimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião