Católica estima que economia portuguesa tenha contraído 13% no 2.º trimestre

  • Lusa
  • 8 Julho 2020

O Católica Lisbon Forecasting Lab estimou ainda que, num cenário alternativo, a economia poderá ter contraído cerca de 20%.

A economia portuguesa terá descido 13% em cadeia no segundo trimestre, após uma contração de 3,8% nos primeiros três meses do ano, segundo as estimativas do NECEP – Católica Lisbon Forecasting Lab hoje divulgadas.

“No seu cenário base, a economia portuguesa terá contraído 13% em cadeia no 2.º trimestre de 2020 após uma queda de 3,8% no 1.º trimestre”, apontou, em comunicado a Católica.

De acordo com o NECEP, esta evolução justifica-se com “quedas menos acentuadas em alguns setores”, como o da construção, assim como pela recuperação do comércio a retalho e pelas operações na rede Multibanco, “se bem que parcial e ainda distante dos níveis observados no final do ano passado”.

O Católica Lisbon Forecasting Lab estimou ainda que, num cenário alternativo, a economia poderá ter contraído cerca de 20%, suportando esta percentagem com a “proporção muito elevada da população ativa, cerca de 25%, que esteve ausente do seu posto de trabalho normal durante o 2.º trimestre”.

Por outro lado, conforme apontou, este cenário é também sinalizado por indicadores como as vendas de veículos ou o número de dormidas em estabelecimentos turísticos.

Já no que se refere ao crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB), a Católica mantém o cenário anunciado em março de uma queda de 10% em 2020, sublinhando que o valor de 7% indicado no Orçamento do Estado Suplementar parece otimista.

“Esta projeção resultou da construção de cenários que permitem antever quedas do PIB entre 5% e 17% este ano, pelo que o valor de 7% indicado no Orçamento do Estado Suplementar de 2020 parece otimista já que pressupõe um segundo semestre do ano bastante favorável”, explicou o NECEP, acrescentando que o cenário central é compatível com uma taxa de desemprego de 9% no conjunto do ano.

O NECEP mantém também a perspetiva de que a economia portuguesa deverá recuar de “forma mais ou menos intensa” em comparação com a zona euro este ano, estimando que o PIB da zona euro contraia 8,3%, com cenários compreendidos entre – 11,5% e – 4%.

Já para 2021 e 2022, embora a visibilidade seja “ainda diminuta”, a economia deverá continuar inferior ao nível do PIB de 2019 no próximo ano, “com um hiato próximo dos 8% no cenário central e uma perda próxima dos 5% dois anos após o surgimento do surto pandémico”. Porém, uma completa recuperação em 2021 face a 2019 “é possível num cenário otimista, bem como no horizonte de 2022 (+2,5%).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 544 mil mortos e infetou mais de 11,85 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.631 pessoas das 44.859 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Católica estima que economia portuguesa tenha contraído 13% no 2.º trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião