Sindicatos reúnem com Transtejo e Soflusa para discutir “caderno reivindicativo”

  • Lusa
  • 8 Julho 2020

A FECTRANS vai reunir-se a 16 de julho com a administração da Transtejo e Soflusa para reiniciar as negociações e discutir o “caderno reivindicativo” proposto pelos trabalhadores.

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS) vai reunir-se com a administração da Transtejo e Soflusa no dia 16 de julho para reiniciar as negociações e discutir o “caderno reivindicativo” proposto pelos trabalhadores.

As reuniões estão marcadas para dia 16 de julho, uma de manhã e outra à tarde, onde vamos reiniciar as conversas e o calendário de reuniões para o futuro”, disse à Lusa Carlos Costa, da FECTRANS.

Segundo o responsável, esta “nota informativa” foi transmitida esta quarta-feira a cerca de 50% dos efetivos e operacionais da Transtejo, que se reuniram em plenário para saber qual o ponto de situação sobre a negociação coletiva, que estava suspensa devido à pandemia da covid-19.

“Em janeiro entregámos o caderno reivindicativo, mas depois entrou esta situação da pandemia que suspendeu tudo e estávamos à espera do reinício das negociações”, explicou.

Na terça-feira, a administração da Transtejo tinha informado, na sua página da internet, que as ligações fluviais deveriam parar na tarde desta quarta-feira devido ao plenário de trabalhadores.

No entanto, de acordo com o sindicalista, a reunião acabou por ter pouco impacto no serviço de transporte fluvial entre a Margem Sul e Lisboa.“Tem sempre algum impacto, mas não é aquele impacto como se fosse hora de ponta. Os planos falavam que a primeira carreira deveria sair por volta das 18h00, mas às 16:h30 já estavam a sair navios. Só teve cerca de uma hora sem navios”, referiu.

Devido a esta iniciativa, a Transtejo previa “uma interrupção temporária do serviço regular nas ligações fluviais de Cacilhas, Montijo, Seixal e Trafaria”, no distrito de Setúbal, entre as 13h00 e as 18h00.

A estrutura sindical também tinha marcado um plenário com os trabalhadores da Soflusa para quinta-feira de manhã, mas acabou por o desconvocar depois de chegar a um entendimento com a administração das empresas. “Nós estávamos a ficar para trás e queríamos saber qual a opinião deles, mas a empresa marcou as reuniões para as duas empresas de transporte fluvial e, no caso da Soflusa, houve tempo para desmarcar o plenário. Com a Transtejo não, porque foi em cima da hora”, explicou Carlos Costa.

O plenário da Transtejo decorreu entre as 14h30 e as 15h30, enquanto o da Soflusa estava marcado para quinta-feira entre as 09h00 e as 11h00.

As empresas têm a mesma administração e ambas asseguram as ligações fluviais entre a Margem Sul e Lisboa, mas a Transtejo é responsável pelos terminais do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, enquanto a Soflusa faz a travessia entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicatos reúnem com Transtejo e Soflusa para discutir “caderno reivindicativo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião