Tráfego aéreo encolhe mais de 50% até junho

  • Lusa
  • 8 Julho 2020

Nos primeiros seis meses deste ano, a NAV Portugal controlou 179.542 voos, o que representa uma quebra de 54% face a igual período do ano anterior, período em que controlou 393 mil voos.

A NAV Portugal controlou 179.542 voos no primeiro semestre, uma quebra de 54% face a igual período do ano anterior, impactada pelas medidas de contenção da pandemia de covid-19, foi anunciado esta quarta-feira.

“Olhando para o acumulado do primeiro semestre fica notório o forte impacto na aviação das medidas tomadas para a contenção da covid-19. Entre janeiro e junho, a NAV controlou 179.542 voos no céu sob responsabilidade portuguesa, isto quando nos primeiros seis meses de 2019 tinham sido 393 mil”, indicou, em comunicado, o prestador de serviços de navegação aérea.

Em junho, a NAV Portugal geriu 8.537 voos (‘Instrument Flight Rules’ – IFR), menos 87,9% face ao mesmo mês de 2019. “Apesar de os valores continuarem bastante abaixo do ano passado, é de salientar que de maio para junho se registou um crescimento superior a três mil voos em Portugal”, notou.

De acordo com os dados avançados pela NAV, nos dois primeiros meses do ano, o tráfego gerido por este prestador “estava em linha” com os números de 2019, porém, desde março, “com o gradual avanço de medidas de combate à disseminação da covid-19, incluindo encerramentos e limitações de espaços aéreos, o tráfego entrou em queda abrupta”.

Por torre de controlo, entre janeiro e junho, foi no Algarve “que se sentiu maior retração relativa ao tráfego”, tendo sido registados, em Faro, 9.692 movimentos (IFR), um retrocesso de 70,9% em comparação com o período homólogo. Já o aeroporto de Cascais (distrito de Lisboa) e de Santa Maria (Açores) registaram quebras de 31% em igual período.

Nas duas torres com maiores níveis de tráfego, nos primeiros seis meses do ano, Lisboa totalizou menos 55,4% de movimentos, atingindo os 47.031 e o Porto menos 56,2% com 21.160 voos.

Com quedas iguais ou superiores a 50%, no período de referência, ficaram também as torres de controlo nos aeroportos da Madeira (-56%), Porto Santo, na Madeira, (50,7%) e Ponta Delgada, nos Açores, (50%) com 5.445 movimentos no Funchal, 5.710 em São Miguel e 608 no Porto Santo.

Por seu turno, na Horta e nas Flores, nos Açores, o tráfego caiu, respetivamente, 44% e 49% para 2.832 e 399 movimentos. Quanto à evolução do tráfego por cada uma das regiões de informação de voo (RIV), foi na de Lisboa, que inclui Portugal continental e Madeira, com uma perda de 56,1%, entre janeiro e junho, para 137,7 mil movimentos.

Por último, na RIV de Santa Maria, que inclui uma área do oceano atlântico Norte e os Açores, a descida foi de 47,3% para 41,7 mil voos realizados no primeiro semestre.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 544 mil mortos e infetou mais de 11,85 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.631 pessoas das 44.859 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tráfego aéreo encolhe mais de 50% até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião