OMT diz que comunicação e confiança serão chave para impulsionar retoma do turismo

  • Lusa
  • 12 Julho 2020

A Organização Mundial do Turismo indicou que a comunicação e a confiança serão fundamentais para puxar pelo turismo depois do confinamento vivido na generalidade dos países.

A Organização Mundial do Turismo (OMT) afirma que a confiança e a comunicação serão fundamentais para impulsionar a indústria turística mundial após o longo período de confinamento que os países têm sofrido.

“Os reconhecimentos, certificações e validações de segurança são agora uma parte essencial na comunicação de um destino e esta situação provavelmente não irá mudar num futuro próximo, apesar da esperada disponibilidade de uma vacina”, destacou a diretora da comissão regional da Europa da organização de turismo das Nações Unidas, Alessandra Priante, em entrevista à agência Efe.

A responsável, que participará na próxima semana no fórum virtual EURAGORA, organizado conjuntamente pelas agências Efe e Lusa, considerou que a saúde e a segurança, bem como o estado do sistema de saúde, são agora “elementos chave” para qualquer destino e são um elemento crucial nos planos de marketing. Na sua opinião, o turismo provou ser a indústria mais resiliente e tem uma capacidade única para impulsionar a recuperação e o desenvolvimento das sociedades.

A OMT acredita que a recuperação deve andar de mãos dadas com pilares como “a sustentabilidade e a inovação, juntamente com uma utilização adequada dos dados, que terão de tornar-se o novo normal”. “A pandemia tem sido uma experiência de aprendizagem, e devem evitar-se os erros do passado”, sublinhou.

Priante considerou que, “se o turismo de baixo custo significa turismo excessivo, então isto deve ser evitado com uma abordagem mais consciente dos fluxos turísticos, que devem ser geridos através da utilização de dados de uma forma inovadora e sustentável”.

A OMT está a apoiar os países nos seus esforços para reiniciarem o turismo e, neste trabalho, representantes do alto organismo visitaram recentemente a Itália e as Ilhas Canárias para enviarem uma mensagem clara de que é seguro viajar novamente quando se tomam todas as precauções necessárias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OMT diz que comunicação e confiança serão chave para impulsionar retoma do turismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião