Liberty Seguros investe 100 milhões para gerir e lançar novos seguros na nuvem

  • ECO Seguros
  • 27 Julho 2020

A companhia aposta na mudança de paradigma, construindo uma base empresarial totalmente nova, para lançar produtos e serviços sem restrições de língua, moeda ou contexto de mercado.

A Liberty Europe, unidade de negócio do grupo americano que integra Portugal, Espanha e Irlanda, vai investir mais de 100 milhões de euros para criar um sistema inteiramente baseado na nuvem (cloud based) e que permitirá “gerir e comercializar seguros de uma forma totalmente simplificada“.

Toda a tecnologia do projeto é “construída de raiz, eliminando a complexidade dos sistemas anteriores”. O investimento, que se traduz numa abordagem insurtech, permitirá à Liberty lançar novos produtos completamente modulares, salientou a seguradora em comunicado.

O processo “estará concluído em quatro anos, altura em que todos os produtos da Liberty na Europa utilizarão esta solução única e serão investidos mais de 100 milhões de euros em aplicações e características na nuvem, onde agilidade, time-to-market, simplicidade e foco nos clientes e parceiros serão centrais”, detalha a mesma fonte.

Tradicionalmente, o negócio dos seguros baseia-se em diferentes processos e tecnologias para gerir orçamentos, reclamações, serviços ao cliente, compras e outras atividades centrais, o que representa uma complexidade de sistemas, hardware e software, que podem ser diferentes em cada país onde as empresas operam, reconhece a Liberty no momento em que decide assumir o modelo baseado na nuvem.

Por isso, a companhia “começou a desenvolver o conceito” há 18 meses “para construir um novo conjunto de tecnologias modulares e colaborativas para gerir um negócio de seguros na cloud. Sem qualquer ligação a sistemas já existentes ou centros de dados e, com base no conceito de uma modularidade, a empresa investiu numa solução completa onde os produtos e serviços podem ser lançados sem restrições relacionadas com a língua, a moeda ou o contexto de mercado baseada em processos lean, low-touch ou no-touch.

Em vez de migrarmos a nossa tecnologia, decidimos começar do zero, reconstruindo todo um novo modelo de negócio na nuvem, ligando diferentes tecnologias num ecossistema comum. Isto representa um enorme esforço para uma empresa da nossa dimensão, mas estamos certos de que estes investimentos irão assegurar a sustentabilidade da empresa, independentemente da procura dos consumidores existentes e novos ou da inovação do mercado que o futuro nos trará”, comenta Tom McIlduff, CEO da Liberty.

“Estamos certos de que este ecossistema fará total diferença no dia-a-dia dos nossos agentes, tornando o seu trabalho mais ágil e eficiente, mas também terá um impacto muito relevante nos clientes, que passarão a ter uma oferta totalmente personalizada e adaptada àquilo que procuram e que necessitam. Acreditamos que esta filosofia e tecnologia serão disruptivas, não só no setor segurador, mas também ao nível de como as empresas se modelam às novas exigências e tendências de mercado”, acrescenta Alexandre Ramos, CIO da Liberty e parte da equipa que iniciou e desenvolveu o projeto de transformação.

A Liberty soma 108 anos de know-how no setor dos seguros, “mas tem as capacidades digitais de uma Insurtech. Com esta abordagem, a seguradora será capaz de lançar novos produtos ou unidades de negócio nos mercados existentes.” Em Portugal, “iremos implementar o mesmo conceito digital first para clientes e parceiros, que permitirá potenciar produtos modulares melhorados, totalmente personalizáveis aos clientes e com vista à simplificação”, adianta o comunicado.

A Liberty Seguros é parte da maior operação do grupo Liberty Mutual fora dos EUA. A unidade europeia inclui os negócios em Espanha (desde 2001), Portugal (2003) e Irlanda (2011) sob a mesma estrutura legal, embora com operação já alargada a outros países como a Alemanha, Polónia e Áustria. A atividade da seguradora nos três mercados abrange diferentes linhas de negócios, principalmente automóvel, lar, Vida e pessoal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberty Seguros investe 100 milhões para gerir e lançar novos seguros na nuvem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião