Trump abre a porta à compra do TikTok pela Microsoft

O presidente dos EUA não mostrou oposição à venda do TikTok pela ByteDance à Microsoft. Empresa chinesa tem até 15 de setembro para se desfazer da aplicação.

O presidente dos EUA deu aprovação informal à compra do TikTok pela Microsoft. Numa declaração a partir da Casa Branca, Donald Trump não mostrou oposição ao potencial negócio, dizendo apenas que o TikTok terá de encerrar as operações nos EUA a 15 de setembro, a não ser que a empresa chinesa ByteDance decida, até lá, vender a aplicação à Microsoft ou a outra empresa, segundo o The New York Times (acesso pago).

O TikTok tem estado sob escrutínio nos EUA por ter já largos milhões de utilizadores no país. As autoridades temem que o facto de a empresa ter sede em Pequim a torna permeável aos interesses do Partido Comunista Chinês, tendo em conta a lei em vigor que permite às autoridades chinesas obrigarem empresas privadas a cederem informação sobre os seus utilizadores. Na sequência disto, Trump disse ainda que pretende que o Tesouro dos EUA receba uma boa parte do valor da venda, mas não especificou de que forma tal poderá acontecer.

Por causa disto, este ano, a dona do TikTok tem vindo a tentar distanciar-se da China. Inclusivamente, contratou para CEO um antigo alto responsável da Disney, Kevin Mayer. No entanto, tal não terá sido suficiente para apaziguar os receios da Casa Branca, com a imprensa norte-americana a revelar na sexta-feira que Trump se preparava para assinar uma ordem executiva a forçar a venda da subsidiária norte-americana do TikTok.

Logo na sexta-feira, a Microsoft surgiu como a potencial compradora da aplicação e tudo indica que continua na corrida. A aplicação TikTok permite criar e partilhar vídeos e a aplicação fez furor entre as camadas mais jovens por ter um potente algoritmo que faz curadoria dos conteúdos com base nos interesses dos utilizadores. A empresa ainda não gera receitas, por não ter publicidade, mas o interesse dos anunciantes na aplicação põe a descoberto a potencial alta rentabilidade da aplicação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump abre a porta à compra do TikTok pela Microsoft

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião