Espectadores de salas de cinema dão trambolhão de 95,6% em julho

  • Lusa
  • 7 Agosto 2020

Em julho, as salas de cinema portuguesas receberam perto de 78 mil espectadores, o que representa uma a quebra de 95,6% face ao período homólogo. Receitas atingiram os 382,4 mil euros.

As salas de cinema portuguesas receberam perto de 78 mil espectadores em julho, uma quebra de 95,6% face ao período homólogo de 2019, anunciou esta sexta-feira o Instituto do Cinema e do Audiovisual.

Em termos de receitas, o valor alcançado em julho foi de 382,4 mil euros, o que representa uma redução de 96,1% em relação ao mesmo mês de 2019.

O filme mais visto no mês de julho foi “Bora Lá”, de Dan Scanlon, que contou com 9.710 espectadores, seguindo-se “O Rececionista”, de Michael Cristofer, com 8.850, “Spycies – Agentes Especiais”, de Guillaume Ivernel e Zhang Zhiyi, com 4.646 pessoas, e “Sobreviver na Noite”, de Matt Eskandari, com 3.616 espectadores.

No agregado do ano, a receita total verificou uma quebra de 68,8% face aos primeiros sete meses de 2019 para 14,2 milhões de euros, enquanto o número total de espectadores de 2020 até ao final de julho é de 2,6 milhões, o que significa uma redução de 69,2% face ao ano anterior.

Em julho do ano passado, por exemplo, foram às salas de cinema portuguesas 1,784 milhões de pessoas.

A covid-19 teve um impacto enorme na indústria cinematográfica, paralisando produções de cinema, levando ao encerramento de salas, ao adiamento de festivais de cinema e à reflexão sobre estratégias de exibição cinematográfica envolvendo, sobretudo, as plataformas de streaming.

As salas portuguesas de cinema, que puderam reabrir a 1 de junho, tiveram cerca de 12.400 espectadores em junho, o que representou 1% da assistência registada em junho de 2019.

Os exibidores contavam com os lançamentos de novos filmes de Hollywood para atraírem os públicos de volta às salas, mas os principais destaques têm sido sucessivamente adiados, quando não cancelados por completo.

Foi o caso de “Mulan”, da Disney, que, depois de vários adiamentos, vai ter estreia, no dia 4 de setembro, na plataforma de streaming Disney+ (que só chega a Portugal no dia 15 de setembro).

Já “Tenet”, de Christopher Nolan, vai estrear-se em vários mercados internacionais, incluindo Portugal, no dia 26 de agosto, uma semana antes de chegar aos Estados Unidos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espectadores de salas de cinema dão trambolhão de 95,6% em julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião