Controlo da China vai acabar com centro financeiro em Hong Kong, diz Trump

  • Lusa
  • 13 Agosto 2020

Presidente dos Estados Unidos disse que Hong Kong “irá para o inferno” enquanto centro financeiro internacional se ficar sob controlo da China.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu esta quinta-feira que Hong Kong “irá para o inferno” enquanto centro financeiro internacional se ficar sob controlo da China.

“Hong Kong nunca será capaz de prosperar sob controlo de uma China tão oposta aos milhares de génios que dirigiram” o território, disse Trump em entrevista à Fox Business News. “Os mercados de Hong Kong vão para o inferno. Ninguém vai fazer negócios ali”, acrescentou.

Os Estados Unidos puseram fim, em 14 de julho, ao regime preferencial concedido por Washington a Hong Kong, após a imposição pela China, no final de junho, de uma lei de segurança nacional no território que proíbe “qualquer ato de traição, separação, rebelião, subversão contra o Governo Popular Central”.

Segundo Donald Trump, a suspensão desse tratamento preferencial pelos Estados Unidos retira a Hong Kong a sua atração comercial. Os Estados Unidos e Hong Kong tinham uma relação comercial privilegiada que representava “grandes somas de dinheiro”, disse o Presidente republicano.

Em 2018, o regime preferencial permitiu a Hong Kong vender aos Estados Unidos 5,3 mil milhões de euros de mercadorias, em particular equipamentos elétricos, metais preciosos e plásticos.

“Uma vez que a China se tornou agressiva e assumiu o controlo, parei tudo. Está tudo parado agora e isso vai provocar um desastre”, disse Donald Trump.

As relações entre os Estados Unidos e a China voltaram a ser tensas desde a chegada ao poder do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em janeiro de 2017, primeiro por desentendimentos e pressões comerciais e depois por acusações relacionadas com o aparecimento do novo coronavírus e da pandemia consequente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Controlo da China vai acabar com centro financeiro em Hong Kong, diz Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião