Gasolineira Prio comprada pelo grupo espanhol DISA

  • ECO
  • 20 Agosto 2020

O quarto maior operador de combustíveis em Espanha venceu a corrida à compra da Prio, detida pela Oxy Capital. Negócio depende das autorizações dos reguladores e deverá ficar concluído este ano.

A DISA venceu a corrida pela compra da gasolineira portuguesa Prio, detida pela Oxy Capital, liderada por Pedro Morais Leitão. Empresa espanhola passa a deter rede de 247 estações de serviço, garantindo os cerca de 700 postos de trabalho diretos da Prio.

Segundo o Jornal Económico (acesso livre), o acordo entre as partes foi assinado esta quarta-feira à noite, tendo sido confirmado oficialmente por ambas as empresas esta sexta-feira, 21 de agosto.

A concretização do negócio está dependente da aprovação das autoridades competentes, nomeadamente da Concorrência. É expectável, ainda assim, que a transação seja concluída até final do ano.

“A extensão dos negócios da DISA em Portugal insere-se na estratégia de expansão geográfica que teve início há três anos. O grupo energético propôs-se levar além das fronteiras de Espanha a experiência e conhecimento acumulados ao longo de 86 anos de atividade no setor energético, sempre com critérios de sustentabilidade e com grande capacidade de adaptação às necessidades e exigências da sociedade e da economia”, diz em comunicado.

Com esta aquisição, o quarto maior operador de combustíveis em Espanha expande-se para Portugal, onde passará a deter uma rede de 247 estações de serviço, o terminal de armazenamento e a fábrica de biodiesel, localizados em Aveiro.

“A integração da Prio no Grupo DISA garante a continuidade de todas as atividades que a empresa portuguesa desenvolveu até à data, uma vez que a empresa espanhola assume os compromissos contratuais vigentes com todos os seus clientes e fornecedores”, refere o grupo espanhol em comunicado, salientando a manutenção do emprego na empresa. A Prio emprega diretamente mais de 700 pessoas.

(Notícia atualizada às 9h46 de 21 de agosto com a confirmação do negócio e informações adicionais)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gasolineira Prio comprada pelo grupo espanhol DISA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião