Consumidores admitem pagar mais por produtos sustentáveis

Para a maioria dos consumidores a sustentabilidade é motivo de preferência no momento de compra. 52% dizem que partilham uma ligação emocional com produtos ou organizações sustentáveis.

O novo coronavírus veio alterar o comportamento dos consumidores, levando-os a um consumo mais consciente. E a sustentabilidade está a ganhar terreno. Para 79% dos consumidores, é um motivo de preferência no momento de compra, de acordo com o estudo da Capgemini, “Produtos de Consumo e Retalho: como a sustentabilidade está a mudar fundamentalmente as preferências do consumidor” (Consumer Products and Retail: how sustainability is fundamentally changing consumer preferences).

A pandemia foi determinante na alteração dos hábitos de consumo dos consumidores, sendo que 67% afirma estar mais conscientes da escassez de recursos naturais devido ao vírus. Além disso, 53% dos consumidores em geral e 57% na faixa etária dos 18 aos 24 anos, modificaram as suas compras habituais para marcas menos conhecidas por serem mais sustentáveis e 64% revelaram que já o faziam antes da pandemia.

Mais de metade dos consumidores (52%) dizem que partilham uma ligação emocional com produtos ou organizações sustentáveis e 64% dos inquiridos afirma que comprar produtos sustentáveis os faz sentir felizes com a sua opção, sendo que esta tendência é ainda mais elevada no grupo etário 25-35 com 72%.

“A pandemia tem aumentado o desejo global de autenticidade e responsabilidade, particularmente por parte das grandes organizações. Como as empresas se concentram na transformação na sequência da pandemia, devem colocar a sustentabilidade no centro dos seus esforços”, diz o diz Kees Jacobs, vice-presidente de produtos de consumo e retalho da Capgemini.

O estudo da multinacional francesa de serviços de consultoria, tecnologia e outsourcing, que contempla critérios de responsabilidade social, inclusão e impacto ambiental das marcas, concluiu que existe uma relação direta entre a sustentabilidade e o negócio das empresas de bens de consumo, sendo que 79% dos inquiridos muda a sua escolha para comprar um produto mais amigo do ambiente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consumidores admitem pagar mais por produtos sustentáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião