PSD propõe alteração para que doentes com Covid-19 e pessoas em quarentena possam votar

O PSD avança com uma proposta de um mecanismo para que os infetados e aqueles em quarentena possam votar antecipadamente nas eleições.

Antecipando as próximas eleições, que vão ocorrer no início do próximo ano, o grupo parlamentar social-democrata avançou com um projeto de lei para que as pessoas doentes com Covid-19 ou em quarentena por determinação da autoridade de saúde possam votar, prevendo a criação de um mecanismo para este efeito.

“As leis eleitorais em vigor contemplavam a solução do voto antecipado para pessoas detidas ou internadas em estabelecimento de saúde. No entanto, não existia nenhuma adequação aos casos de pessoas afetadas pela situação pandémica como a que vivemos”, explica o grupo parlamentar do PSD, em comunicado.

A proposta do PSD prevê o alargamento do voto antecipado, “quase até ao dia da eleição”, aos eleitores “que se encontrem em confinamento obrigatório no âmbito de uma situação de grave risco para a saúde pública”. Este mecanismo contempla “a intervenção dos Municípios, da Autoridade Nacional de Saúde e das forças de segurança, que criarão equipas móveis que se deslocarão a casa das pessoas abrangidas”.

“Esta é uma matéria que deve ser resolvida atempadamente”, defendem os deputados do PSD. As próximas eleições que se vão realizar no país são as presidenciais, e terão lugar em janeiro ou fevereiro. Marcelo Rebelo de Sousa deverá convocar estas eleições em novembro.

O partido aproveitou também esta alteração legislativa para incluir “a possibilidade de desdobramento das assembleias de voto das freguesias a partir de 1.000 eleitores, em vez dos atuais 1.500, reduzindo-se por esta via a pressão de eleitores sobre uma mesma assembleia de voto e promovendo o distanciamento social”, adianta o partido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD propõe alteração para que doentes com Covid-19 e pessoas em quarentena possam votar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião