Quase um milhão de crianças e jovens começam hoje a receber abono de família extra

A Segurança Social começa a pagar esta quarta-feira o abono de família extraordinário prometido pelo Governo em resposta à pandemia de coronavírus.

Para ajudar no regresso às aulas, o Governo decidiu garantir às famílias portuguesas uma prestação complementar do abono, que começará a ser paga esta quarta-feira pela Segurança Social. Isto no caso das crianças e jovens até aos 16 anos, que se enquadrem no primeiro, segundo ou terceiro escalão de rendimentos.

De acordo com o calendário de pagamento dos subsídios sociais deste mês, as prestações familiares que são pagas por transferência bancária seguem esta quarta-feira para os beneficiários. No caso dos apoios assegurados por vale de correio, a indicação é que comecem a ser pagos na mesma data.

E segundo indicou ao ECO o gabinete de Ana Mendes Godinho e a Segurança Social, através da sua linha de apoio, a expectativa é que a prestação extraordinária do abono de família seja paga na mesma ocasião, isto é, a partir desta quarta-feira.

De acordo com o Ministério do Trabalho, este apoio excecional deverá abranger as 974 mil crianças e jovens, que se enquadram no primeiro, segundo e terceiro escalões de rendimentos. As famílias que preencham estas condições não precisam, de resto, de fazer qualquer requerimento, cabendo à Segurança Social apurar quais têm direito.

De notar que a prestação complementar em causa equivale apenas ao valor base do abono de família, ou seja, exclui majorações por número de filhos, idade das crianças e família monoparental. Tudo somado, o cheque desta quarta-feira variará entre 28 euros e 37,46 euros.

O apoio será pago não só aos trabalhadores do privado, mas também aos funcionários públicos, segundo garantiu a ministra da Administração Pública.

Esta medida foi lançada no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) e deverá custar aos cofres do Estado cerca de 32 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase um milhão de crianças e jovens começam hoje a receber abono de família extra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião