Marco Galinha entra na Global Media. Saraiva vai ser o chairman

O empresário Marco Galinha vai ser acionista do JN e DN e por isso vai haver também mudanças na administração. Presidente da CIP vai ser chairman.

O empresário Marco Galinha, do grupo Bel, vai ter uma posição acionista no capital da Global Media, o grupo de comunicação social que controla o Jornal de Notícias, a TSF, o Diário de Notícias e O Jogo, apurou o ECO junto de fontes que acompanharam as negociações. E com esta mudança de capital, haverá também mudanças na administração: António Saraiva aceitou ser presidente do Conselho de Administração da empresa.

A Global Media enviou, entretanto, um email a todos os trabalhadores em que confirma a notícia do ECO, embora sem pormenores e com apenas cinco linhas. “Os acionistas do Global Media e o Grupo Bel chegaram hoje a acordo para a entrada deste na estrutura acionista da empresa. Esta parceria, que será formalizada após a conclusão dos devidos procedimentos, visa o relançamento estratégico de um dos principais grupos de referência da comunicação social em Portugal, num momento desafiante para o setor e para o país”.

De acordo com as informações recolhidas pelo ECO e que não constam do comunicado, a operação deverá ser feita por via de um aumento de capital, mantendo-se no capital os outros acionistas. A KNJ Global Holdings Limited; José Pedro Carvalho Reis Soeiro, atualmente o presidente da administração, a Olivemedia, o Novo Banco e a Grandes Notícias, Lda.

De acordo com outra fonte, com esta operação estão criadas as condições para o grupo Global Media avançar para uma reestruturação, que vai implicar rescisões laborais e não está excluído o recurso ao despedimento coletivo.

As mudanças na administração, essas, só ocorrerão depois de ser feita a reestruturação e por isso só deverão ocorrer no final do ano.

António Saraiva afasta “conflito de interesses” e mantém-se na CIP

Já depois da publicação desta notícia, à margem de uma conferência online da CIP, confrontado, António Saraiva remeteu esclarecimentos para mais tarde.

“Terei muito gosto [de explicar] quando for tempo e oportunidade. A Global Media terá um plano de comunicação para o novo quadro acionista, com o que se propõe para este grupo de media português”, indicou o gestor.

Reforçando, acrescentou ainda que fará comentários “no tempo e no momento certo, se até lá o que está pensado quer em reestruturação, quer em governance e nos que lhe vão dar corpo, se concretizar”.

Questionado sobre se se manterá na presidência da CIP assumindo o cargo de chairman da Global Media, o gestor português assegurou que sim, por não ver “qualquer conflito de interesses”.

“Eu sou empresário, a CIP é uma organização privada de defesa da iniciativa privada. A Global Media é privada, não é pública. Não é conflito de interesses. Sendo privado-privado, o que farei enquanto empresário é desenvolver um conjunto de tarefas, como faço no conjunto de empresas em que colaboro. É isso o meu ADN, sou empresário, empreendedor, gestor responsável”, afirmou.

“Não há qualquer conflito de interesses e continuarei a contribuir para o interesse nacional na área privada, porque não tenho qualquer apetência para a área pública”, concluiu António Saraiva.

(Notícia atualizada às 17h07 com reação de António Saraiva)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marco Galinha entra na Global Media. Saraiva vai ser o chairman

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião