Governo italiano vê economia afundar 9% este ano

  • Lusa
  • 19 Setembro 2020

Economia deverá contrair 9% este ano e a dívida pública subir para quase 160% do PIB, de acordo com as projeções que o Governo de Itália deverá incluir no orçamento do Estado.

O governo italiano está a ultimar a atualização das projeções macroeconómicas de 2020, antecipando uma queda de 9% do Produto Interno Bruto (PIB) e um aumento da dívida pública para entre 158% e 159%.

A atualização do quadro macroeconómico, que servirá de base à elaboração do Orçamento do Estado e do plano de reformas a abranger no Fundo Europeu de Recuperação, deve ser apresentada ao parlamento no próximo dia 27 e, segundo os meios de comunicação social italianos, vai conter alterações em relação aos cálculos efetuados em abril.

O executivo transalpino está a considerar uma queda de 9% na economia em 2020, uma revisão em alta face aos 8% estimados em abril; o mesmo acontece em relação ao aumento da dívida pública para números entre os 158 e 159% do PIB, depois de ter sido antecipado um cenário de 155,7% no início do segundo trimestre deste ano.

No entanto, o quadro poderá até ser mais negativo para a situação do país, com o ministro da Economia, Roberto Gualtieri, a assumir nas últimas semanas que o défice poderia saltar para cerca de 11%, em consequência dos sucessivos pacotes de estímulo financeiro aprovados por Roma para enfrentar a crise provocada pela pandemia de covid-19.

Após a apresentação das previsões de 2020, segue-se a elaboração do Orçamento e o plano de reformas a enviar para a Comissão Europeia até ao final de outubro, de forma a poder receber no primeiro semestre do próximo ano cerca de 10% dos mais de 200 mil milhões de euros que cabem a Itália no Fundo Europeu de Recuperação, dotado de 750 mil milhões no total.

O governo liderado por Giuseppe Conte prepara um plano orçamental que incluirá intervenções no valor de 25 a 30 mil milhões de euros, metade dos quais serão provenientes dos fundos europeus.

Itália foi um dos países mais afetados pela pandemia de covid-19, ao ser a primeira nação europeia a tornar-se no foco de propagação da doença provocada pelo novo coronavírus. De acordo com os dados mais recentes, Itália continua a ser o segundo país com mais mortes (35.668), a seguir ao Reino Unido, e o quarto com mais casos (cerca de 295 mil), atrás apenas de Espanha, França e Reino Unido.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 953.025 mortos e mais de 30,5 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo italiano vê economia afundar 9% este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião