Talkdesk lança 1.ª edição remota do Tech Dojo. Quer recrutar 50 pessoas

  • Pessoas
  • 22 Setembro 2020

O unicórnio português abriu as candidaturas para a 3.ª edição do programa de atração de recém-licenciados e mestres. Este ano a edição é remota e o objetivo é recrutar 50 pessoas até ao fim do ano.

A Talkdesk já abriu as candidaturas para a 3.ª edição do Tech Dojo, um programa de atração de recém-licenciados e mestres em engenharia informática para o unicórnio português. A edição deste ano vai decorrer 100% online e por isso está aberta a alunos de qualquer parte do país. As candidaturas para a primeira fase já estão disponíveis e a empresa quer recrutar 50 pessoas no final do programa.

“Faremos um onboarding totalmente remoto, do qual fará parte um período inicial de cerca de três semanas intensivas de aulas online. Serão, depois, imediatamente integrados nas respetivas equipas, onde irão implementar o que aprenderam e contribuir para o desenvolvimento de novos produtos”, explica Francisca Matos, talent director da Talkdesk para Lisboa e Porto.

“O Tech Dojo tem sido uma iniciativa bastante apreciada pelos participantes que, acabados de sair da universidade, ainda não têm o conhecimento do mundo de trabalho real. Assim, este não é apenas um processo de recrutamento, mas de adaptação e de imersão e acreditamos que, ao fazê-lo de forma diferenciada, estamos a criar uma relação forte com a empresa, essencial para se sentirem motivados e parte da equipa”, explica Francisca Matos, talent director da Talkdesk para Lisboa e Porto.

O Tech Dojo tem como objetivo fazer uma imersão do talento de novos graduados na empresa e colocar os participantes em projetos reais – nos domínios de desenvolvimento de software, qualidade e testes, ciência de dados e desenvolvimento de operações, segurança e suporte –, acompanhados por engenheiros seniores e conhecedores das diferentes tecnologias, para que, no fim de um período de seis meses, possam integrar a empresa de forma permanente.

“O Tech Dojo foi idealizado, desde o início, como um espaço de imersão e formação aprofundada, cujo princípio de base é a aprendizagem através do erro e da prática; por analogia com o significado etimológico do termo “Dojo”, que advém do zen-budismo e designa um lugar de iluminação, no qual os monges praticavam a meditação, a concentração, a respiração e os exercícios físicos”, explica a empresa e comunicado.

Até ao final do ano, a Talkdesk pretende recrutar 300 profissionais, com diferentes experiências e de diversas partes do mundo, com o objetivo de alcançar os 1.000 colaboradores em I&D neste período.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Talkdesk lança 1.ª edição remota do Tech Dojo. Quer recrutar 50 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião