Nas notícias lá fora: Covid, Glovo e Trump

A Covid-19 está a provocar problemas cardíacos em doentes recuperados há meses. A Glovo pode ser forçada a reconhecer os estafetas como seus funcionários.

A ciência continua a dar passos no conhecimento da Covid-19, uma doença que, apesar de amplamente propagada, ainda representa um mistério em diversos aspetos. Na imprensa internacional, destaque ainda para a notícia de que a justiça espanhola declarou que há relação laboral entre os estafetas e plataformas como a Glovo. Conheça estes e outros assuntos que marcam o dia lá fora.

The Wall Street Journal

Doentes “Covid-19” com problemas cardíacos meses depois

Apenas detetada no final de 2019, a doença Covid-19 é agora globalmente conhecida. Pelo contrário, o vírus que a induz continua a ser, em grande medida, um mistério para a ciência. Uma investigação recente notou que algumas pessoas que foram infetadas e recuperaram da doença vieram a apresentar problemas cardíacos meses depois da recuperação, mesmo em casos de infeção pouco severos. A descoberta pode ajudar a explicar o facto de alguns pacientes apresentarem problemas como falta de ar, dor no peito e palpitações mesmo depois de dados como curados da Covid-19, um fenómeno que tem vindo a ser apontado pelos médicos mas que ainda não tem cura nem justificação. Leia a notícia completa no The Wall Street Journal (acesso pago/conteúdo em inglês).

CincoDías

Justiça declara existir relação laboral entre Glovo e estafetas

O Supremo Tribunal de Espanha declarou pela primeira vez que a relação que existe entre plataformas como a Glovo e os seus estafetas é de natureza laboral, uma decisão que poderá trocar as voltas ao negócio destas empresas. A justiça espanhola declarou ainda que os estafetas são falsos trabalhadores autónomos. A análise do tribunal é particularmente relevante, pois significa o reconhecimento pela justiça de que estas plataformas eletrónicas não são meros intermediários no negócio, tendo responsabilidades laborais sobre quem distribui os bens adquiridos através das mesmas. Leia a notícia completa no CincoDías (acesso livre/conteúdo em espanhol).

The New York Times

Trump recusa compromisso com transição pacífica de poder

Donald Trump, presidente dos EUA, recusou comprometer-se com uma transição pacífica de poder caso venha a perder as eleições de 3 de novembro. Instado a apresentar esse compromisso, o chefe de Estado respondeu apenas: “Francamente, não vai haver transferência. Vai haver uma continuação.” Esta questão tem ganhado relevância na política norte-americana. Trump tem vindo a levantar dúvidas infundadas sobre a fiabilidade do sistema eleitoral, concretamente o voto por correspondência, suscitando receios de que uma eventual derrota não seja aceite e provoque um choque democrático. Leia a notícia completa no The New York Times (acesso pago).

CincoDías

BCE estuda criar uma “Amazon” para o crédito malparado

O BCE está a tentar antecipar-se a problemas no setor financeiro do euro por causa da pandemia do novo coronavírus. Tem dado o seu apoio às fusões no setor, procurando bancos mais fortes para enfrentar a crise, mas tem outros “truques” na “manga”. Um deles poderá passar pela criação de um “banco mau” digital, uma espécie de “Amazon” de malparado para facilitar a venda destes créditos tóxicos por parte dos bancos. Leia a notícia completa no CincoDías (acesso livre/conteúdo em espanhol).

The Guardian

Fabricantes automóveis processam EUA por causa das tarifas à China

Vários grupos fabricantes de automóveis, onde se inclui nomes como Tesla, Volto, Ford e Mercedes, colocaram vários processos contra a Administração Trump, alegando que alguns impostos aplicados sobre a importação de certas componentes vindas da China é “ilegal”. Concretamente, a Tesla considera que essas tarifas de 25%, onde se incluem produtos como os terminais, são “arbitrárias” e “caprichosas”. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre/conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: Covid, Glovo e Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião