Boris Johnson apela a líderes mundiais para se unirem contra “inimigo comum”

  • Lusa
  • 26 Setembro 2020

"Nunca mais devemos travar 193 campanhas separadas contra o mesmo inimigo", disse o primeiro-ministro britânico, anunciando que vai aumentar em 30% o financiamento à OMS:

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou este sábado que a pandemia do novo coronavírus rompeu com os laços entre as nações e apelou aos líderes mundiais para se unirem contra o “inimigo comum”, a Covid-19.

Johnson, que fez estas declarações num discurso pré-gravado na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), disse que nove meses após a pandemia, “a própria noção de comunidade internacional parece esfarrapada”. “Nunca mais devemos travar 193 campanhas separadas contra o mesmo inimigo”, defendeu o governante.

Johnson, que contraiu a covid-19 na primavera passada e passou três noites nos cuidados intensivos, pediu também aos países para partilharem os dados para criar um sistema global de alerta precoce para os surtos de doenças. Além disso, o primeiro-ministro britânico pediu aos países para pararem de impor controlos à exportação de bens essenciais, como muitos fizeram durante a pandemia.

Johnson estabeleceu um plano para prevenir outra pandemia global, incluindo uma rede de laboratórios de investigação zoonótica (transmitida por animais ao ser humano) em todo o mundo para identificar os agentes patogénicos antes que eles passem dos animais para humanos. E comprometeu-se ainda com 500 milhões de libras (450 milhões de euros), através de um grupo de aquisição global de vacinas COVAX, para ajudar 92 dos países mais pobres do mundo a obterem uma vacina contra o novo coronavírus, caso venha a ser descoberta e esteja disponível.

O primeiro-ministro anunciou igualmente que o Reino Unido vai aumentar em 30% o seu financiamento para a Organização Mundial da Saúde (OMS), isto é, para 340 milhões de libras nos próximos quatro anos.

O Governo britânico está agora a tentar contrariar a impressão de que o país está a retirar-se do cenário mundial ou a torna-se mais protecionista, após a sua saída da União Europeia. A data de 31 de janeiro deste ano marcou a saída oficial do Reino Unido da União Europeia e o início de um período de transição que se irá prolongar até ao final do ano, caso não venha a ser, entretanto, prolongado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson apela a líderes mundiais para se unirem contra “inimigo comum”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião