Carências habitacionais do Plano de Recuperação e Resiliência já estão desatualizadas

  • ECO
  • 29 Setembro 2020

As carências habitacionais para as quais foi desenhado o apoio do Plano de Recuperação e Resiliência estão desatualizadas. As necessidades são maiores do que o identificado.

As carências habitacionais identificadas pelo plano de recuperação e resiliência (PRR) que o Governo irá entregar à Comissão Europeia dia 15 de outubro já estão desatualizadas tendo em conta as Estratégias Locais de Habitação que foram entregues por mais de 30 autarquias, avança o Público (acesso condicionado) desta terça-feira.

Em causa está o documento prospetivo deste apoio de 1.200 milhões de euros preparado pelo IHRU (Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana), o qual já estará ultrapassado. O custo global para o realojamento das quase 26 mil famílias identificadas é de 1,5 mil milhões de euros, de acordo com as estimativas feitas em fevereiro de 2018.

O diário escreve que este apoio obrigará o Estado a fazer uma atualização no terreno para “resolver problemas antigos” e para “executar as obras a tempo de serem financiadas pelos fundos europeus”. As Estratégias Locais de Habitação mostram que já houve um aumento das carências habitacionais face ao identificado anteriormente, sendo que a presidente do IHRU tinha dito no Parlamento que a subida chegava aos 77%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Carências habitacionais do Plano de Recuperação e Resiliência já estão desatualizadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião