PIB vai contrair 8,1%. Banco de Portugal vê desemprego nos 7,5%

O Banco de Portugal prevê que a taxa de desemprego ficará nos 7,5% este ano, menos 2,6 pontos percentuais do que tinha sido anteriormente projetado.

O Banco de Portugal estima que, afinal, a taxa de desemprego ficará nos 7,5% este ano, menos 2,6 pontos percentuais do que tinha sido anteriormente projetado. De acordo com o Boletim Económico divulgado esta terça-feira, também foi revista a previsão relativa à evolução do PIB. Estima-se agora que a economia caia 8,1% em 2020, menos 1,4 pontos percentuais do que a estimativa anterior.

Em junho, o Banco de Portugal previa que 2020 seria sinónimo de uma queda de 9,5% da economia, seguindo-se um crescimento do PIB de 5,2% em 2021 e de 3,8% em 2022. Estimava também que a taxa de desemprego iria subir este ano para 10,1%, recuando para 8,9% em 2021 e para 7,6% em 2022.

Esta terça-feira, com a divulgação do Boletim Económico de Outubro, essas projeções foram revistas. A instituição liderada por Mário Centeno estima agora que o PIB cairá 8,1% este ano (menos 1,4 pontos percentuais do que tinha sido anteriormente projetado) e que a taxa de desemprego subirá para 7,5% (menos 2,6 pontos percentuais do que na estimativa anterior).

Quanto à evolução do PIB, o governador do Banco de Portugal explicou que a revisão é fruto de “um impacto mais reduzido do confinamento na economia portuguesa e de uma reação das empresas e famílias melhor que a antecipada“.

Também revista foi a projeção do índice harmonizado de preços no consumidor, que passou de 0,1% para 0%, no Boletim Económico divulgado esta terça-feira.

O Banco de Portugal estima, além disso, que as exportações cairão 19,5% este ano e as importações recuarão 12,4%, menos 5,8 pontos percentuais e dez pontos percentuais do que era projetado em junho.

(Notícia atualizada às 12h25)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PIB vai contrair 8,1%. Banco de Portugal vê desemprego nos 7,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião