Do Gmail ao Docs, ferramentas de trabalho da Google mudam de cara

A Google atualizou o G Suit, que passa agora a chamar-se Google Workplace. Há novos logótipos e funcionalidades que integram a experiência entre as diferentes aplicações.

Se usa as ferramentas da Google na sua empresa, saiba que há novidades a caminho. A multinacional mudou a identidade do pacote de aplicativos G Suite, que passou a chamar-se Google Workplace. Desde logo, há novos logótipos para cada aplicação, do GMail à Drive, passando pelo Calendário e até pelo Docs.

Mas as novidades não se ficam pela identidade visual deste pacote que já é usado por mais de seis milhões de negócios em todo o mundo. A Google lançou também um conjunto de funcionalidades que integram ainda mais os vários serviços, para “ajudar as equipas a colaborem de forma mais eficaz” numa altura marcada pelo trabalho remoto.

O novo aspeto dos aplicativos de trabalho da Google: Gmail, Calendário, Drive, Docs e Meets.Google

Por exemplo, é agora possível a vários membros de uma equipa trabalharem num mesmo documento diretamente a partir de uma janela de conversação. Passa também a ser possível pré-visualizar em miniatura um ficheiro que esteja incluído numa ligação dentro desse documento, ou identificar (mencionar) pessoas num ficheiro do Docs.

“Durante mais de uma década, temos construído produtos para ajudar as pessoas a transformarem a forma como trabalham. Agora, o trabalho transformou-se ele mesmo de formas sem precedentes”, explica Javier Soltero, que lidera agora o departamento Google Workplace da multinacional. Por isso, falando em “desafios únicos”, considera que “representam uma oportunidade significativa para ajudar as pessoas a serem bem-sucedidas neste mundo altamente distribuído e cada vez mais digitalizado”.

O G Suit, agora Google Workplace, é a oferta de serviços pagos da Google direcionada às empresas. Quanto aos preços, mantêm-se semelhantes. Atualmente, o pacote Business Starter custa 4,68 euros por mês por utilizador, seguindo-se o Business Standard (9,36 euros por mês por utilizador) e Business Plus (15,60 euros mensais por utilizador). É ainda possível obter um pacote desenhado à medida com condições especiais.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Do Gmail ao Docs, ferramentas de trabalho da Google mudam de cara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião