Saldo externo ainda é negativo. Nesta altura em 2019 já era positivo

Portugal ainda regista um défice externo no acumulado até agosto deste ano. No ano passado, por esta altura já havia um excedente.

O comportamento repete-se quase todos os anos: na primeira metade do ano, Portugal regista um défice comercial, mas o boom do turismo no verão permitia ter um excedente na segunda parte do ano. Apesar de essa inversão ter vindo a acontecer cada vez mais tarde nos últimos anos, chegados a junho ou julho esta acabaria por acontecer.

Contudo, este ano, por causa da crise pandémica, tal não se verificou. Nos dados acumulados até agosto, Portugal continua a ter um défice comercial: -887 milhões de euros, o que compara com um excedente de 1.146 milhões de euros no acumulado até agosto de 2019.

Até agosto de 2020, o saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se em -887 milhões de euros, o que compara com 1146 milhões de euros em igual período de 2019“, revela o Banco de Portugal esta segunda-feira na nota de informação estatística da balança de pagamentos.

Saldo acumulado da balança corrente e de capital continua negativa em agosto

A dúvida é se este ano ainda será possível inverter o saldo até ao final do ano. Nas contas do Governo, tal não deverá concretizar-se: na proposta do Orçamento do Estado para 2021, o Executivo prevê que o saldo da balança corrente e de capital fique nos -0,3% do PIB, sendo negativo pela primeira vez desde a anterior crise. Na prática, isto significa que a capacidade líquida de financiamento do país será negativa, ou seja, a economia está a “endividar-se” face ao exterior.

Na nota, o banco central explica que o défice deteriorou-se principalmente por causa da redução do excedente de serviços (principalmente relacionado com turismo), na ordem dos 6.527 milhões de euros a menos em 2020 face a 2019. A redução do défice de bens em 3.118 milhões de euros, em termos homólogos, não foi suficiente para compensar.

No que toca aos serviços, o Banco de Portugal concretiza que “esta redução foi, na maior parte, justificada pelo decréscimo acentuado do saldo da rubrica viagens e turismo, de 5.602 milhões de euros”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Saldo externo ainda é negativo. Nesta altura em 2019 já era positivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião