Navigator antecipa pagamento do subsídio de Natal a mais de 3.200 trabalhadores

A Navigator vai antecipar o pagamento do subsídio de Natal, das férias e das folgas não gozadas e reforçar com uma gratificação extra. Quer apoiar os trabalhadores e reconhecer o esforço na pandemia.

A The Navigator Company vai antecipar e reforçar os benefícios dos seus colaboradores para os apoiar a fazer face às dificuldades causadas pela pandemia. A empresa decidiu antecipar o pagamento do subsídio de Natal a todos os seus trabalhadores, das férias não gozadas, das folgas acumuladas a 31 de dezembro de 2019, e ainda de uma gratificação extraordinária, anunciou em comunicado. O subsídio de Natal será pago já este mês e a gratificação será calculada com base nos indicadores de mérito individual.

A empresa vai adicionar 10 milhões de euros aos 25 milhões de euros atribuídos anualmente em benefícios. De acordo com a empresa, esta decisão é também uma forma de “reconhecer o esforço comum e o desempenho durante a pandemia“.

“Apesar do forte impacto económico que a empresa tem sofrido, a sua robustez financeira e a confiança com que encara o futuro permitem a aplicação desta medida de partilha com os seus 3.200 trabalhadores e respetivas famílias”, refere a empresa em comunicado.

Estes novos benefícios juntam-se às medidas implementadas com efeitos a janeiro deste ano, através de um aumento intercalar anual de 2,5% aplicado a técnicos operacionais posicionados nos níveis mais baixos da estrutura de remunerações, um programa de promoções e progressões, a aplicação da cláusula de anti-estagnação e, ainda, o programa de mérito para quadros.

Anualmente, a Navigator distribui apoios no valor aproximado de 25 milhões de euros, referentes a seguro de saúde, seguro de vida, fundo de pensões, subsídio de infantário, subsídio de livros escolares, bolsas de estudo, subsídio para filhos portadores de deficiência, cantina e formação, assegura a empresa em comunicado.

A empresa é a terceira maior exportadora portuguesa, representa aproximadamente 1% do PIB nacional e 2,4% das exportações nacionais de bens, sendo a que gera o maior Valor Acrescentado Nacional.

*Notícia atualizada às 10h51 com mais informação

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Navigator antecipa pagamento do subsídio de Natal a mais de 3.200 trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião