Google desenhou campanha contra Bruxelas para influenciar legislação digital

Documento interno obtido pelo Financial Times mostra que a Google desenhou uma estratégia contra Bruxelas e contra um comissário europeu para tentar influenciar a nova legislação digital.

A Google desenhou uma campanha contra o comissário Thierry Breton e outras figuras do panorama político europeu. A estratégia visa influenciar a nova regulamentação na União Europeia (UE) para travar o poder das grandes plataformas de tecnologia, que está a ser preparada por Bruxelas.

A informação foi avançada pelo Financial Times (acesso pago), que teve acesso a um documento interno da multinacional. Trata-se de um relatório que define uma estratégia a dois meses para tentar eliminar “restrições irracionais” ao modelo de negócios da Google e para “redefinir a narrativa política” em torno da proposta da Comissão Europeia.

Segundo o jornal, é intenção da Google “aumentar a resistência” contra o comissário Thierry Breton, que é um dos principais apoiantes de regulamentação para as grandes tecnológicas. A multinacional pretende ainda “enfraquecer o apoio” relativo à proposta de regulamentação dos Serviços Digitais que está a ser desenhada por Bruxelas.

Para tal, a multinacional pretende “contrariar a ideia” de que a legislação “não tem custo para os europeus”. A estratégia da Google passa também por “mostrar” que a proposta de lei, que só deverá ser conhecida em dezembro, “limita o potencial da internet numa altura em que ela é mais necessária para as pessoas”.

A notícia é exemplo de como a Google, e outras empresas dominantes no setor, recorrem a táticas e ao lóbi para manipular o discurso público e influenciar a legislação, refere o jornal britânico, que salienta que o documento é categorizado pela Google como sendo “confidencial e proprietário”.

Contactado pelo jornal, o comissário francês visado na estratégia não se mostrou surpreendido com estas informações. Já a Google respondeu, através de uma porta-voz, que “apoia totalmente” legislação que “garanta que a tecnologia pode contribuir para a recuperação da Europa e para o sucesso económico futuro”.

A Comissão Europeia tenciona levar a cabo uma revisão das regras da internet pela primeira vez em décadas e a proposta dos Serviços Digitais deverá versar sobre temas como o conteúdo ilegal, a transparência das plataformas e a propagação de informação falsa nas plataformas geridas por empresas como a Google, mas também o Facebook e a Amazon.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google desenhou campanha contra Bruxelas para influenciar legislação digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião