Portugal com recorde de 4.224 novos casos de Covid-19. Morreram 33 pessoas

Foram identificados 4.224 novos casos de infeção pelo novo coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas. O número total de casos positivos desde o início da pandemia sobe para 132.616.

Portugal bateu um novo recorde de casos de Covid-19, superando a fasquia dos 4.000 casos. O país registou 4.224 novos casos de infeção, elevando para 132.616 o número de infetados desde o início da pandemia. Trata-se de uma subida diária de 3,29%. Já o número de mortes subiu para 2.428, após 33 óbitos terem sido contabilizados nas últimas 24 horas, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde (DGS).

É a primeira vez que Portugal ultrapassa a barreira das quatro milhares de novas infeções diárias, tendo o país registado 4.224 novos casos nas últimas 24 horas, acima do anterior máximo registado na quarta-feira. Ao mesmo tempo, os números de mortes estão também a subir. Só nas últimas 24 horas, morreram 33 pessoas, ou seja, mais nove do que no dia anterior e o número mais elevado desde 24 de abril, quando o país contabilizou 34 óbitos. Destes óbitos, 16 foram na região Norte, 12 em Lisboa e Vale do Tejo e cinco no Centro.

Há agora 54.486 pessoas (casos ativos) a lutarem contra a doença, mais 2.490 pessoas do que no balanço anterior. Tal como tem sido a tendência verificada nos últimos dias, a maioria dos novos casos foi registada na região Norte. Dos 4.224 novos casos confirmados no total das últimas 24 horas, 2.474 localizam-se nesta região (58,6%), seguidos pela região de Lisboa e Vale do Tejo, que contabilizou 1.102 novas infeções (26,1%).

Boletim epidemiológico de 29 de outubro:

Neste contexto, o Norte continua a ser a região com mais casos até ao momento (58.596 casos de infeção e 1.069 mortes), seguindo-se de Lisboa e Vale do Tejo (56.580 casos e 967 mortes), do Centro (11.401 casos e 309 mortes), do Algarve (2.642 casos e 25 mortes) e do Alentejo (2.608 casos e 43 mortes). Nas ilhas, os Açores registam 358 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 431 pessoas infetadas e continua sem registar nenhuma vítima mortal.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 1.834 estão internados (mais 40 face ao dia anterior), dos quais 269 em unidades de cuidados intensivos (mais sete). Isto apesar de a ministra da Saúde ter antecipado que por estes dias o país iria superar “o número de internados em UCI registado na primeira vaga”, que foi de 271 pessoas.

Há ainda 64.426 pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, ou seja, mais 1.969 do que no balanço de quarta-feira. Os dados revelados pelas autoridades de saúde dão ainda conta de mais 1.701 recuperados, um número ligeiramente superior relativamente ao último balanço. No total, mais de 75 mil pessoas recuperaram da doença.

Com o número de casos a aumentarem de dia para dia, o Governo prepara-se para definir medidas para o controlo da pandemia, tendo, por isso, convocado um Conselho de Ministros extraordinário para este sábado. Em entrevista ao podcast Política com Palavra do PS, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde levantou um pouco o véu do que poderá vir, admitindo que as novas restrições poderão ser tomadas a nível territorial e mais circunscritas, num modelo que ainda terá que ser estabilizado. Recorde-se que a partir desta sexta-feira e até terça-feira, dia 3 de novembro, está proibida a circulação entre concelhos para todos os cidadãos, salvo determinas exceções previstas na lei.

(Notícia atualizada às 14h47)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal com recorde de 4.224 novos casos de Covid-19. Morreram 33 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião