Vale a pena ter painéis solares para baixar a fatura? Há um simulador que dá a resposta

O comparador de tarifários Payper acaba de lançar uma nova funcionalidade de avaliação de ações de Eficiência Energética para painéis solares, bombas de calor e veículos elétricos.

A procura de painéis solares está a aumentar em Portugal. O Governo tem 4,3 milhões de euros para dar a quem faça investimentos que melhorem a eficiência energética das suas habitações e no caso dos painéis solares o apoio ascende a 70% do investimento inicial até um máximo de 2.500 euros. O Fundo Ambiental já começou a pagar os primeiros 100 cheques do “Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis” e nas candidaturas a “preferência tem sido pela instalação de painéis fotovoltaicos”, revela o Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

Do lado das empresas que vendem e instalam painéis solares, a mesma tendência é confirmada: entre janeiro e setembro de 2020 a EDP realizou mais de 10.000 instalações de painéis solares (+72% face ao mesmo período de 2019). Outras empresas como a Iberdrola e a Galp também estão a apostar em força no negócio de venda e instalação de painéis solares para consumidores residenciais. Para já o foco é nas vivendas individuais ou geminadas, estando o lançamento de novas soluções para condomínios na calha já para 2021.

Todas garantem retorno do investimento e uma poupança significativa na fatura da luz. Mas será mesmo assim? É isso que a ferramenta online de uso gratuito Payper quer ajudar os consumidores a descobrir.

Já com 50 mil utilizadores e até agora mais focada na comparação de tarifários de energia, a aplicação Payper (que funciona como aplicação móvel, no smartphone, ou online), acaba de lançar uma nova funcionalidade de avaliação de ações de Eficiência Energética (que abrange não só painéis solares mas também veículos elétricos e bombas de calor), no seguimento dos apoios do Fundo Ambiental.

Nesta nova área, os consumidores podem calcular a potência de um painel fotovoltaico, o seu custo, o apoio a que se podem candidatar e ainda o tempo de retorno do investimento. “Tudo baseado no consumo real, perfil e caracterização do consumidor”, garante Miguel Braga da Costa, gestor de projetos da CSide – Intelligent Solutions.

O responsável revela que a pergunta “Compensa instalar um painel solar?” é neste momento uma das mais frequentes entre a comunidade de utilizadores Payper, o que levou os criadores deste comparador a estudar o mercado das energias renováveis para, em poucos passos, ser possível simular na aplicação qual a poupança associada à instalação de um painel fotovoltaico.

“Nunca como agora foi tão vantajoso investir em painéis solares. Segundo os nossos simuladores, para uma vivenda com um consumo médio de 75 euros por mês, considerando o incentivo fiscal disponibilizado, podemos ter um retorno do investimento inferior a um ano e meio”, revela.

O Payper faz a recomendação da potência do painel a instalar, otimizada para autoconsumo e baseada no consumos nas diferentes horas do dia, analisa a poupança mensal/anual e o retorno do investimento, ajuda na candidatura aos programas de financiamento disponíveis e dá acesso a uma listagem dos produtos, de diferentes fornecedores, com características e preços descriminados com e sem instalação.

 

Como funciona o simulador de produção solar?

Para começar, os utilizadores têm de carregar as suas faturas de eletricidade para a aplicação Payper. O ideal, diz Braga da Costa, é ter pelo menos duas faturas com um ano de intervalo – para ser possível analisar a distribuição do consumo ao longo de um ano completo.

Assim, e a partir das leituras do contador, extraídas das faturas carregadas, a aplicação fica a saber o consumo nos períodos tarifários de cheias e pontas (que correspondem aos períodos de produção solar). É a partir destes valores que é sugerida a potência do painel solar a instalar, com vista a minimizar a injeção de energia na rede — a qual, para um cliente residencial de autoconsumo, não costuma ser remunerada.

Um exemplo: se o consumo for de 14 kWh nos períodos de pontas e cheias — que abrangem 14 horas, das 8h às às 22h –, isso quer dizer que a média é de 1 kWh, representando um consumo constante de aproximadamente 1.000W. É a partir desse consumo médio que o Payper sugere a potência do painel solar a instalar.

O algoritmo da aplicação tem ainda em conta:

  • A localização do imóvel (concelho), informação que é extraída automaticamente das faturas e usada para obter a radiação solar anual média (através da plataforma https://solargis.info).
  • Análise dos diagramas de carga de mais de 500 painéis solares instalados em diferentes locais do país, o que dá a produção média anual indexada à potência do painel instalado.
  • O que o consumidor paga pela eletricidade nos horários das tarifas de cheias e pontas, calculado a partir dos valores extraídos das faturas, e considerando a respetiva proporção de cada tarifa para a percentagem média de energia solar produzida em cada ciclo horário.
  • Estimativa de quanta da energia produzida não será consumida e será injetada na rede, através de um algoritmo de curva quadrática.

 

 

“Sabendo quanto paga pela eletricidade (kWh), a energia média produzida pelos painéis solares e a média da energia que se perde a injetar na rede, é fácil calcular qual a poupança anual”, frisa Braga da Costa, sublinhando que “os valores de poupança anual dependem de vários fatores, nomeadamente a orientação e inclinação do painel, a temperatura e as condições meteorológicas”.

Quanto ao preço, com instalação, de um kit solar completo, o Payper assume que “não é fácil obter uma estimativa dos custos dos painéis solares, dos inversores, e dos serviços de instalação” e está neste momento a construir uma base de dados com vários instaladores e respetivos preços de kits solares completos. A aplicação permite ainda aos utilizadores comunicar diretamente com os instaladores para obterem uma proposta de orçamento e poderem agendar a instalação do equipamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vale a pena ter painéis solares para baixar a fatura? Há um simulador que dá a resposta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião