BRANDS' ECO GEBALIS, protagonista nas políticas públicas de habitação

  • ECO + Gebalis
  • 11 Novembro 2020

É através de programas específicos que a GEBALIS, enquanto entidade gestora do maior parque habitacional do País, coloca o enfoque da sua gestão na mitigação de assimetrias sociais.

A importância do papel das cidades na determinação de políticas habitacionais e, em última instância, das condições habitacionais dos seus cidadãos tornou-se um tópico fundamental na atualidade. À centralidade das questões da habitação, juntam-se as da mobilidade, da digitalização, da energia, do consumo, da distribuição espacial e da justiça social, entre outras, mostrando como uma abordagem urbana integrada pode fornecer iniciativas políticas sustentáveis, sobretudo para quem tem responsabilidades na gestão habitacional.

Se a necessidade crescente e premente de habitação exige ao município de Lisboa a implementação de medidas que possibilitem com efetividade o acesso à habitação, este exige à GEBALIS, enquanto entidade gestora do maior parque habitacional do País, uma gestão integrada, eficiente e eficaz, pelos impactos que a sua intervenção tem aos diversos níveis de desenvolvimento e de coesão social e urbanística de Lisboa.

A gestão na cidade de Lisboa do regime de renda apoiada, e mais recentemente do arrendamento acessível, permite à GEBALIS assumir protagonismo não só pela dimensão do património – perto de 23 mil habitações, mais de 3 mil edifícios, mais de mil espaços comerciais (não habitacionais), praticamente 1200 elevadores e plataformas elevatórias – mas essencialmente pela dimensão social que um universo populacional de aproximadamente 64 000 pessoas exige.

Através de uma política de gestão integrada – social, patrimonial e financeira – e da sua maior vantagem competitiva, a proximidade aos residentes, a promoção da participação e responsabilização dos residentes e dos atores institucionais, no desenvolvimento de ações que contribuam para a melhoria da qualidade de vida dos espaços de habitar e, consequentemente, para o desenvolvimento social e urbano de Lisboa, é uma realidade.

Sustentada em três grandes eixos de atuação – promoção da vida coletiva, melhoria da imagem pública dos bairros e a conservação e requalificação do património – o modelo de gestão convoca os parceiros locais e os residentes, na qualidade de agentes fundamentais de mudança.

É através de programas específicos que a GEBALIS coloca o enfoque da sua gestão na mitigação de assimetrias sociais: “Lotes ComVida” – uma abordagem integrada de governação, com os residentes, na organização do seu prédio e na promoção de relações positivas de convivialidade social; o “Community Champions League” – uma parceria com a Fundação Benfica e 12 Juntas de Freguesia, desenvolvendo um projeto comunitário, em torno do futebol e de ações comunitárias; a aplicação da metodologia Nudge – em duas grandes áreas: alteração comportamental ao nível da utilização dos elevadores e no cumprimento regular do pagamento das rendas; a adesão ao “Projeto Radar” da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com o acompanhamento da população + de 65 anos.

Destaque especial para o Programa LIFE – casas para uso universal, criado em 2010, uma simbiose perfeita entre a inovação da requalificação de habitações e a promoção da qualidade de vida dos residentes com deficiências profundas. As habitações LIFE apostam no recurso as novas tecnologias, nomeadamente a domótica com operacionalidade dos equipamentos via wireless e a chamada Internet of Things.

Quer seja procurando metodologias inovadoras junto da academia, ao nível da sociologia urbana, da ciência comportamental ou das mais recentes e sustentáveis técnicas de reabilitação de edifícios; quer seja através da experimentação de novas abordagens de intervenção social ou de novos materiais de construção, a GEBALIS aporta para a sua estratégia de gestão a componente da inovação, na procura de respostas assertivas e consistentes para fazer face aos desafios quotidianos.

Volvidos 25 anos a GEBALIS reforça o compromisso em continuar a servir a cidade de Lisboa, respondendo com qualidade e eficácia, perseguindo uma política de responsabilidade social empresarial, atenta à coesão social, à defesa dos direitos humanos, à igualdade de oportunidades, à igualdade de género, à diversidade e à multiculturalidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

GEBALIS, protagonista nas políticas públicas de habitação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião