Mais uma fusão na CGD. Caixa Participações absorve Parbanca

Enquanto o setor da banca está em ebulição com fusões e aquisições, na Caixa a tendência é interna. Está a vender e a fundir sociedades. Macedo já se desfez de mais de 20 empresas do grupo.

Há mais uma fusão em curso dentro da Caixa Geral de Depósitos (CGD). A Caixa Participações vai incorporar a Parbanca, numa operação que segue a lógica de tantas outras que Paulo Macedo concretizou nos últimos anos: simplificar a estrutura do grupo e cortar custos, como exigiu Bruxelas.

Ao longo dos últimos quatro anos, entre alienações, fusões e extinções, o banco público já se desfez de duas dezenas de empresas, em cumprimento do plano de reestruturação negociado entre o Governo português e a Comissão Europeia, que termina em dezembro deste ano. Mas o processo de reorganização do grupo não vai ficar por aqui, tendo em conta os processos de venda dos bancos no Brasil e Cabo Verde e outras fusões que estão a ocorrer internamente.

Recentemente, a CGD anunciou outras duas fusões: das sociedades Caixa Leasing e Factoring e Partang, esta última que gere a participação do banco em Angola, no próprio banco.

Agora, é a Parbanca, uma sociedade que se encontra registada na Zona Franca da Madeira e detém uma participação de 51% no capital do banco BCI, em Moçambique, a ser absorvida pela Caixa Participações. É através desta sociedade que a CGD faz a gestão das suas participações noutras empresas. Vai gerir mais uma: o banco moçambicano, que também é detido em 35,7% pelo BPI. O ECO contactou o banco mas não obteve uma resposta até à publicação do artigo.

Com isto, o banco público quer ser mais eficiente: tanto a Caixa Participações com a Parbanca fazem a gestão de participações sociais noutras empresas, logo a fusão vai concentrar a atividade numa só delas, eliminando-se assim a duplicação de obrigações e de custos de natureza legal, fiscal, operacional, financeira e de contexto.

Este é um dos objetivos do plano de reestruturação que está prestes a terminar e que Paulo Macedo acredita que será concluído com sucesso. Isto apesar de saber que alguns dos indicadores, por conta da pandemia, vão ficar por cumprir, como o ROE (rentabilidade dos capitais próprios) que chegou a setembro nos 6,6% e devia superar os 9% no final do ano.

A CGD registou uma queda 39% dos lucros para 392 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, um resultado explicado em grande medida pelo registo de imparidades e provisões no valor de 220 milhões para fazer face à crise pandémica.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais uma fusão na CGD. Caixa Participações absorve Parbanca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião